Apostolado contemporâneo

O “manto apostólico” lança a geração Júnia

Hotel em Promoção - Caraguatatuba
Faça Sua Parte - Compartilhe!

Nasceu a Geração dos Sonhos e precisamos aproveitar o tempo da visitação. Nossa Geração é privilegiada, pois os céus das nações estão abertos para o maior mover da história. Temos crido que esta é a hora mais propensa para mergulharmos no avivamento histórico e cheio de revelação. Nestes dias, nascerá a Geração Júnia, Apóstolas de Avivamento, para que possamos entender que tanto homem quanto mulheres têm legados de autoridade, para selarem uma geração com unção e vida de Deus.

Somos uma geração de privilégio mesmo, pois tantos líderes poderiam ter esta revelação, pois estavam à frente do seu século, e esses líderes não conseguiram romper os paradigmas que assaltaram a sua geração e não puderam consolidar uma multidão de Apóstolos contemporâneos tanto homem quanto mulheres.[…]

[…]O manto Apostólico é o direito de caminhar respaldado e reconhecido no mundo espiritual e trazer os resultados de uma colheita extraordinária, pois somos a geração da promessa e devemos velar pela palavra que já nos foi liberada: UMA COLHEITA ALÉM DOS LIMITES.[…]

Receba Estudos no Celular!

[…]O Manto Apostólico é um sinal da cobertura, da vida salutar que estaremos palmilhando, pois desponta uma Geração dotada de autoridade, que nos levará a níveis maiores e nos colocará em lugares altos, uma Geração que recebeu do Senhor Jesus o legado de ser treinada na Lealdade, Fidelidade e Honra, para poder construir um novo tempo cheio de resoluções. Esta Geração pergunta e nós respondemos; somos a resposta desta Geração.[…]

Apóstolo Renê Terra Nova
Ministério Internacional da Restauração Manaus/AM

Fonte: [ MIR ]

Antes de mais nada; geração Júnia? Apóstolas de avivamento? De onde esse moço tirou isso?

Segundo o Sr. “Paipóstolo”, eles são uma “geração privilegiada” mesmo, pois até então ninguém teve o “privilégio” de receber as extra-revelações específicas para o “maior mover da história”. Uma destas “revelações” seria o surgimento de “apóstolas contemporâneas”, a tal geração Júnia.

O que é mais difícil de engolir é que René utiliza um único texto bíblico (Rm 16:7) para justificar tal apostolado feminino. O pior é que o texto em si é bastante obscuro, sendo assim, impossível fornecer margem de fundamentação para alguma doutrina. Sem falar que o apostolado verdadeiro foi restrito à igreja primitiva e que o mesmo cessou após a morte do último apóstolo (João). Clique aqui para um estudo mais aprofundado sobre os apóstolos

Vejamos o quão absurdo é esta afirmação da “geração Júnia”:

“Saudai a Andrônico e a Júnias, meus parentes e companheiros de prisão, os quais são notáveis entre os apóstolos, e estavam em Cristo antes de mim”. (Rm 16.7).

Os defensores desta tese argumentam que Júnias é um nome feminino, e que a mulher com este nome era uma “apóstola”, em pé de igualdade com Andrônico. Do ponto de vista dos defensores da ordenação feminina, a passagem prova que Paulo reconhecia que uma mulher pode exercer uma posição de autoridade sobre homens na Igreja apostólica. E se elas eram admitidas ao apostolado, obviamente o eram a cargos eclesiásticos, apóstolas, diaconisas e pastorado. Mas não é tão simples assim. Há várias questões relacionadas com a interpretação deste texto. A primeira questão depende da solução de um problema textual. Existem três variantes do nome Júnias nos manuscritos gregos de Romanos 16.7. As duas primeiras divergem quanto à acentuação da palavra Júnias no grego: (1) Iounia=n, que seria o acusativo de Iounia=j, (Júnia) masculino; (2) Iouni/an, que seria o acusativo de Iouni/a, (Júnia) feminino. A terceira variante é Iouli/an, que corresponderia ao feminino Júlia.

A segunda questão depende da interpretação da expressão “notável entre os apóstolos”. Significa que Júnias era um dos apóstolos, já antes de Paulo, e um apóstolo notável? Ou apenas que os apóstolos, antes de Paulo, tinham Júnias em alta conta? As questões mencionadas acima são complexas, e sem respostas definitivas. Examinemos uma a uma.

1. JUNIA É MASCULINO OU FEMININO?

A variante melhor atestada, segundo o texto grego da UBS, 4a. edição (e de Nestle-Aland, 27a. edição), é Iounia=n , acusativo de Júnia, masculino (atestada pelos manuscritos ) A B* C D* F G P, embora sem acentos). A variante (Júlia) é fracamente atestada, aparecendo apenas no p46 e em algumas versões antigas.

Numa pesquisa feita por computador nos escritos gregos existentes desde a época de Homero (século 9 A.C.) até o século 5 D.C. foram achadas apenas três ocorrências do nome Júnias, além de Romanos 16.7. Plutarco cita uma irmã de Brutus, chamada Júnias; Epifânio, o bispo de Salamina em Chipre, menciona Júnias de Romanos 16.7 como sendo um homem que veio a ocupar o bispado de Apaméia da Síria; e João Crisóstomo se refere a Júnias de Romanos 16.7 como sendo uma irmã notável até mesmo aos olhos dos apóstolos. Os resultados são inconclusivos. Parece evidente que Júnias era nome tanto de homem quanto de mulher no período neotestamentário. O problema é que não sabemos em que gênero Paulo o usou em Romanos 16.7. Isto explica o surgimento de variantes divergindo na acentuação, e o surgimento da variante , que é claramente uma tentativa de resolver a ambigüidade. Se tivermos de tomar uma decisão, devemos dar mais peso à palavra de Epifânio, pois ele sabe mais sobre Júnias do que Crisóstomo, já que informa que Júnias se tornou bispo de Apaméia. Concorda com isto o testemunho de Orígenes (morto em 252 D.C.), que num comentário em latim à carta aos Romanos se refere a Júnias no masculino. Nomes gregos masculinos terminando em -aj não são incomuns, mesmo no Novo Testamento: André (Andre/aj , Mt 10.2), Elias (Eli/aj, Mt 11.14) e Zacarias (Zaxari/aj, Lc 1.5). Para alguns comentaristas, Júnias é a abreviação de Junianius, um nome masculino — mas não há evidências claras disto. A conclusão é que não podemos saber com certeza se Júnias era uma mulher — mais provavelmente era um homem. É por isto que a maioria das traduções modernas, onde possível, traduzem Júnias como masculino (e não Júnia, feminino).

Era Júnias um(a) apóstolo(a)?

Mais uma vez perguntamos, é possível termos uma resposta definida para a pergunta “era Júnias um(a) apóstolo(a)?” Gramaticalmente, a expressão “os quais são notáveis entre os apóstolos” (oi(/tine/j ei)sin e)pi/shmoi e)n toi=j a)posto/loij) tanto pode indicar que Andrônico e Júnias eram apóstolos, quanto que eram tidos em alta conta pelos apóstolos existentes. E mesmo que aceitemos que eram apóstolos, ainda resta o fato de que a palavra apóstolo no Novo Testamento é usada, não somente para os Doze, para Paulo, e para algumas pessoas associadas a ele, como Barnabé, Silas e Timóteo (cf. At 14.14; 1 Ts 2.6), mas para mensageiros e enviados (este é o sentido primário de a)po/stoloj) de igrejas locais, como Epafrodito (Fp 2.25) e uns irmãos mencionados em 2 Coríntios 8.23. Estes não parecem exercer governo ou autoridade sobre as igrejas locais, eram simplesmente enviados por elas. Portanto, se Andrônico e Júnias eram apóstolos, deveriam pertencer a este tipo de mensageiros das igrejas locais, com um ministério itinerante. Estes “apóstolos” não tinham autoridade de governo em igrejas locais; antes, eram enviados por elas para desempenhar diferentes funções como representantes ou emissários.

Em última análise, só podemos afirmar com certeza, a partir de Romanos 16.7, que, quem quer que tenha sido, Júnias era uma pessoa tida em alta conta por Paulo, e que ajudou o apóstolo em seu ministério. Não se pode afirmar com segurança que era uma mulher, nem que era uma “apóstola”, e muito menos uma como os Doze ou Paulo. A passagem, portanto, não serve como evidência bíblica para a ordenação feminina no período apostólico. E essa conclusão está em harmonia com o fato de que Jesus não escolheu mulheres para serem apóstolos. Não há nenhuma referência indisputável a uma “apóstola” no Novo Testamento.

Fonte da análise: [ www.cacp.org.br ]

Portanto, esse negócio de “geração Júnia” para o surgimento de apóstolas contemporâneas não existe, é a mais pura invencionisse de pessoas que não tem conhecimento bíblico e que só interpretam a Bíblia da maneira que mais convém para seus próprios umbigos.

Cuidado com esses “apóstolos contemporâneos” que dizem ter revelações exclusivas de Deus. O Canon Bíblico já foi fechado, a Bíblia já está completa e Deus não autorizou a ninguém ficar acrescentando novas revelações extrabíblicas por aí. Cuidado povo!

Ruy Marinho
Fonte: [Bereianos]

Veja mais em Apostolado Contemporâneo

Hotel em Promoção - Caraguatatuba

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.