Ensinos Anti-Bíblicos Teologia

Refutando as insanidades do SAC da Sociedade Bíblica do Brasil

Hotel em Promoção - Caraguatatuba
Faça Sua Parte - Compartilhe!

Em 22 de Junho de 2006 recebi um email de um irmão solicitando que refutasse as

declarações estapafúrdias de uma pessoa do Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) da

notoriamente apóstata e ecumência Sociedade Bíblica do Brasil.

Receba Estudos no Celular!

De minha parte, considero inútil e uma perda de tempo, qualquer diálogo com membros

de uma instituição tão réproba e herética como a Sociedade Bíblica do Brasil, que por

décadas tanto dano tem causado à pura Palavra de Deus e que incorre nas maldições de

Apocalipse 22:19. Entretanto, como esta solicitação veio de um irmão muito dileto e

buscador da verdade, aceitei a tarefa.

Em 20 de Junho de 2006, ao perguntar sobre a Bíblia King James, esse irmão obteve

essas afirmações:

Item 1 do senhor defensor da Sociedade Bíblica do Brasil

– “Pelo que consta, a King James é uma tradução inglesa e, como tal, não foi nem é

adotada pelos falantes da língua portuguesa. A não ser recentemente, visto que uma

editora lançou uma “Bíblia King James em português”. Só faltam lançar uma Bíblia de

Almeida em inglês… Você afirma que havia apenas uma tradução disponível (e vou

entender aqui como se referindo à Almeida, por se tratar do Brasil) e “mesmo assim eles

[os leitores] não tinham nenhum problema em aprender com essa Bíblia”. Bem, a história

da Bíblia no Brasil mostra que não é bem assim. Quando a Almeida foi oficialmente

trazida para o Brasil, pouco antes de 1900, já havia um pedido por parte da igreja

nacional no sentido de se preparar uma Bíblia “brasileira”. Nesse contexto foi traduzida e

publicada a Tradução Brasileira (lançada em 1917). Essa tradução foi aceita com

restrições, sendo a maior delas o fato de ela ser literal demais. Quando a SBB foi

fundada, em 1948, também havia um grande clamor por parte das igrejas para que a

Bíblia falasse a língua das pessoas, não tão literalmente e nem com um sotaque lusitano.

Foi assim que surgiu a Almeida Atualizada. A Nova Tradução na Linguagem de Hoje,

lançada em 2000, também é fruto de uma solicitação das igrejas no sentido de preparar

uma tradução mais próxima do povo simples.”

Refutação do item 1

Esse defensor da Sociedade Bíblica do Brasil (doravante SBB) insulta a inteligência das

pessoas ao revelar seu recalque contra a Bíblia King James, o monumento da Reforma

Protestante e a melhor tradução de todos os tempos. Ninguém de sã consciência, que

defende a Pura Palavra de Deus para o povo de língua Portuguesa, advoga a insanidade

de se adotar para o mundo de fala Portuguesa, a Bíblia King James que é em inglês! Será

que as igrejas teriam que ter cursos de inglês para os perdidos antes de os evangelizar? O

nome dessas duas falácias são: 1 -cortina de fumaça, onde se tenta ocultar o verdadeiroassunto (texto original correto, técnica correta e tradutores corretos) usando uma idéia

ridícula e; 2- espantalho de palha, com o objetivo fazer uma caricatura para indiretamente

chamar o opositor de retardado mental. Talvez ele pense que todo mundo é um “Zé

Mané” que acredita naquela obra ridícula da SBB feita pelo herege Robert Bratcher,

chamada Bíblia na Linguagem de Hoje, que mais corretamente deveria ser chamada de

Bíblia na Linguagem de Satanás.

Esse defensor da SBB não sabe nem organizar suas idéias. Ele é confuso, desastrado,

misturando assuntos diferentes. Ele cita que o inglês “não foi nem é” adotado, mas diz “a

não ser…” e aí cita um projeto em Português! O que é que uma coisa tem a ver com

outra? Vejamos: A editora, que ele não citou o nome, que lançou uma “King James em

Português” foi a ABBA Press, que entrou na fila (onde a SBB já estava há anos) de

cobiçar em vão, destronar a Almeida Corrigida. Eles se aventuraram num projeto

fracassado de má qualidade e infiel ao Grego e Hebraico, infiel à King James e infiel à

Almeida, tudo isso ao mesmo tempo e de uma tacada só! Tudo isso ainda foi misturado

com o Texto Crítico. Um verdadeiro FIASCO! E depois, com um tom jocoso, o defensor

da SBB – essa Sociedade Bíblica que na verdade é Católica disfarçada de “evangélica”,

tenta lançar no ridículo a possibilidade de se traduzir de uma língua para outra e se perder

a palavra de Deus. Ora, a Bíblia King James é tão precisa e fiel aos originais, que se

traduzirmos dela direto para o Português, o resultado será a Bíblia de Almeida! É

cristalino que o poliglota João Ferreira de Almeida se baseou no Grego, Hebraico e

também na King James para produzir sua tradução! Em alguns versos temos a notável

equivalência de palavra por palavra do inglês para o Português e depois, se conferirmos

com o Hebraico ou o Grego teremos a exata equivalência! Se formos comparar com os

originais temos então a equivalência formal confirmada!

Vejamos, por exemplo, o texto em inglês de Gênesis 1:4 onde o nome de Deus foi

criminosamente extirpado da Bíblia Atualizada (que desastradamente se apropriou do

nome de Almeida):

“And God saw the light that it was good: and God divided the light from the darkness.”

Vejamos agora em Português na Almeida Corrigida – a única Bíblia que deveria ser usada

por TODOS os Brasileiros:

“E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas.”

Temos aqui uma tradução perfeita do inglês para o Português e temos também uma

equivalência formal com o Hebraico!

A ironia desse senhor da SBB cai totalmente por terra. Ele deveria, isso sim, é se

envergonhar dessa tal de Almeida Atualizada (propaganda enganosa) com a qual a SBB

contamina o Brasil, que criminosamente, dentro dos 40 ataques acintosos contra a

Criação (ver www.baptistlink.com/creationists/atualizadacontracriacao.htm) apenas no

primeiro capítulo da Bíblia, remove a segunda ocorrência da palavra “Deus” do quarto

verso das Escrituras. Isso dito, ele ainda tem a cara de pau de dizer que “nas traduçõespublicadas pela SBB, utilizamos o Antigo Testamento Hebraico…” Isso só pode ser uma

piada. Nem o texto Hebraico corrupto dos nazistas a SBB usa. Se formos examinar a

NTHL / BLH em Gênesis capítulo 1, então, o desastre vira caso de polícia.

Vamos para a quinta frase do senhor desastrado no seu item 1. Ele diz sobre o domínio

total da Tradução de Almeida no mundo crente de fala Portuguesa: “Não é bem assim…”

Para tentar basear seu argumento histórico de negar e ofuscar o reinado supremo da

tradução de Almeida, esse senhor recorre agora para meias verdades no mínimo. A tática

é ele tentar empurrar a influência de Almeida o mais para tarde na história para rebaixá-la

ao nível de desqualificadas traduções como desastre da Atualizada, por exemplo. É fato

notório que antes da SBB meter as suas mãos sujas de pecado na Palavra de Deus, a

Bíblia Almeida reinava suprema não somente no Brasil mas em todo o mundo Protestante

de fala Portuguesa. Naquela época, os crentes eram mais sábios e autênticos. A

perseguição da igreja Católica era grande e os crentes, genuínos em sua maioria, sabiam

onde estava a Palavra de Deus, ao contrário da grande imbecilização atual dos

“evangélicos” (na verdade neo-evangélicos). A Bíblia Almeida não veio para o Brasil

“pouco antes” de 1900. Ela já estava aqui bem antes de 1900. Estava com os Anglicanos

(1816), com os Luteranos (1824) com os Congregacionais (1855), com os Batistas (1870

e 1881) e com os Presbiterianos (1859) e com os Metodistas (1876). Agora, mesmo que

ela viesse tarde (muito depois de 1819 quando na Inglaterra já era impressa), fica a

pergunta: É esse um argumento válido? NÃO! Algumas tribos isoladas NUNCA tiveram

a Palavra de Deus! Digamos que os obstinados corruptores das Escrituras pertencentes à

SBB, fossem a essa tribo e produzissem uma Bíblia falsa aos moldes da Linguagem de

Hoje. Isso faria dessa tradução corrupta a Palavra de Deus? NÃO!

Essa tal de Tradução Brasileira de 1917 foi baseada no Texto Crítico e foi produzida por

intelectuais almofadinhas, alguns – PASMEM, nem mesmo crentes eram como o próprio

Rui Barbosa! Outros, como o gramático Eduardo Carlos Pereira, também participaram.

Resultado? Não foi um mero “aceita com restrições” mas foi, isso sim, um fiasco total!

Não tem nada a ver com ser “literal demais”, mas sim com o pensamento lúcido de que

aquilo era baseado no texto Crítico e portanto, não era de Deus e que não se precisava de

uma nova tradução, muito menos corrupta como aquela.

Apesar de ser infeliz na avaliação dessa Bíblia no final da citação, vejamos apenas para

efeito informativo, o comentário sobre a Tradução Brasileira de 1917 no web-site

www.monergismo.com

“As Sociedades Bíblicas empenhadas na disseminação da Bíblia no Brasil

reuniram-se, em 1902, para nomear uma comissão para traduzir os textos

hebraico e grego em português. Este comissão era formada de vários eruditos

ligados a diversos grupos protestantes. Entre eles, o Dr. W.C. Brown, da

Igreja Episcopal; J.R. Smith, da Igreja Presbiteriana Americana (igreja do

sul); J.M. Kyle, da Igreja Presbiteriana (igreja do norte); A.B. Trajano,

Eduardo Carlos Pereira e Hipólito de Oliveira Campos. Além do texto grego

e de todas as versões portuguesas existentes, a comissão tinha as seu dispormuitos comentários e obras críticas que contêm os mais novos e mais úteis

resultados da investigação e estudo moderno do Novo Testamento. A

Tradução Brasileira, iniciada em 1902, editando os dois primeiros evangelhos

em 1904, e depois de alguma crítica e revisão, o Evangelho de Mateus saiu

em 1905. Os Evangelhos e o livro dos Atos dos Apóstolos foram publicados

em 1906, e o Novo Testamento completo em 1910. A Bíblia inteira apareceu

em 1917. Apesar de suas inúmeras vantagens ela não vingou em terras do

Brasil e Portugal. Deixando posteriormente de ser impressa.”

(grifo nosso)

Note que são mencionados os “resultados da investigação e estudo moderno”. Esse foi o

problema que a citação acima não consegue discernir. Vamos traduzir isso na linguagem

simples dos crentes na Bíblia para entendermos o fracasso da Tradução Brasileira de

1917. Essa é a verdade:

“Foram usados texto gregos corruptos produzido em 1881 na Inglaterra, por dois ímpios

e incrédulos anglicanos chamados Westcott e Hort que foi chamado de texto Crítico que

possui em torno de 10 mil corrupções no Novo Testamento.”

Satanás porém não desistiu… Em 1948 ele tinha em seus planos fundar a Sociedade

Bíblica Católica disfarçada de evangélica para enganar os ingênuos e usar Robert

Bratcher para falsificar a Palavra de Deus com essa tal de Linguagem de Hoje.

Vejamos as desinformações muito esclarecedoras pelas quais devemos até agradecer essa

oportunidade. Ele disse para justificar a Atualizada que houve um “clamor por parte das

igrejas”

Ora, essa é a exata filosofia abominável da igreja de Lao-dicéia (Apoc. 3:14) que será

vomitada da boca do Senhor Jesus! Laos= povo, dicéia (de dikeia) justiça. Justiça do

povo, vontade do povo, clamor do povo! Isso foi o que aconteceu com o incompetente e

compromitente Arão em Êxodo capítulo 32. Ele ouviu a voz do povo e o resultado foi

aquele carnaval diabólico. Hoje, graças a essa filosofia, temos o carnaval de Bíblias falsas

em Português!

Prossegue ainda no seu erro para justificar a Atualizada e por extensão a BLH:

“Sotaque lusitano”

Pergunta: Pode uma página impressa emitir algum “sotaque”? Isso é um erro patético!

Sotaque tem a ver com o som e não com a palavra impressa. Eu posso ler a Bíblia

Almeida de 1819 com o sotaque Brasileiro e entender perfeitamente todas as palavras

Portuguesas ali existentes!Item 2 do senhor defensor da Sociedade Bíblica do Brasil

– “Nas traduções bíblicas publicadas pela SBB, utilizamos o Antigo Testamento em

hebraico (tal como consta na Biblia Hebraica Stuttgartensia) e o Novo Testamento grego

(tal como consta no The Greek New Testament, 4a edição).”

Refutação do item 2:

Ambas afirmações são falsas. Esses textos que eles chamam de originais (mas não crêem

neles) são na verdade textos falsos produzidos por abutres liberais. A Bíblia Hebraica

Stuttgartensia (ou BHS) é nada mais do que uma revisão da Bíblia Hebraica de Kittel um

nazista que meteu a suas mãos anti-semitas e sujas de pecado, na Bíblia Hebraica

intocável dos judeus que é o texto Massorético! Vejamos em Ro. 3:2 que ninguém deve

tocar no Hebraico guardado pelos judeus.

O Novo Testamento Grego que eles usam é o UBS (United Bible Societies) que já está na

sua 27ª edição. Essa obra baseada no Texto Crítico de Westcott e Hort de 1881 é o Novo

Testamento Grego dos Gnósticos com milhares de perversões. Veja que um dos

componentes da comissão da UBS foi exatamente Carlo Maria Martini um cardeal

candidato por um bom tempo para ser o papa!

Item 3 do senhor defensor da Sociedade Bíblica do Brasil

3- “Toda tradução tem um pouco de interpretação. Não há como negar. E é por isso que o

trabalho de tradução da NTLH (assim como da “atualização” da Almeida) não é fruto de

uma única mente ou pessoa, mas de uma comissão, formada por representantes de

diversas denominações cristãs e que somam conhecimentos em diversas áreas. Além de

contar com o conhecimento e a especialização de diversas pessoas, essas pessoas

procuram zelar para que a tradução não seja tendenciosa para nenhum lado. Por fim,

como a tradução não será usada apenas por uma pessoa e nem só pela comissão tradutora

e, sim, pelas igrejas, as igrejas e os cristãos são convidados a colaborar nesse processo,

dando sua opiniões, críticas e sugestões.”

“Para ajudá-lo com a questão, tomamos a liberdade de indicar-lhe a leitura da obra escrita

por Elizabeth Muriel Ekdahl, Versões da Bíblia – Por que tantas diferenças, da editora

Vida Nova (www.vidanova.com.br). Este livro tem uma linguagem bastante simples e faz

um estudo abrangente sobre as diferentes traduções da Bíblia em português.”Refutação  do item 3

“Toda tradução tem interpretaçõo” Isso é falso. Na diabólica equivalência dinâmica usada

e abusada pela SBB, a interpretação do herético Robert Bratcher – isso sem dúvida

alguma – tem e muito! A NTHL, que foi fruto dessa única mente herética, a do Sr. Robert

Bratcher, amigo de Eugene Nida, está repleta das idéias abomináveis. Essa Bíblia é tão

execrável que até as Testemunhas de Jeová – PASMEM – estão usando-a por ser útil às

suas heresias!

Agora vem o que eles sempre disseram: A Atualizada seria uma Atualização de Almeida.

Isso é TOTALMENTE FALSO.

Almeida nunca produziria a Atualizada. O uso do nome de Almeida que faleceu em 1693,

para identificar essa corrupção feita em 1959 é um crime que a SBB comete. Eles tem

que parar de fazer isso. Eles queriam agregar o prestígio de Almeida para vender a

Atualizada! Isso é totalmente desonesto e abominável.

A Atualizada:

Nunca foi produzida por Almeida e sim 300 anos depois!;

Não usa os mesmo textos Grego e Hebraicos de Almeida;

Não usa a mesma técnica de Almeida: equivalência formal;

Não tem a mesma teologia de Almeida!

Ele parte para o argumento dos especialistas, ou o do consenso que “não é tendencioso

para nenhum lado”. Exatamente! Esse é o problema: É tendencioso para todos os lados. É

a panela que todo o mundo mexe! Todo mundo mexe, desde que seja anti-Almeida. São

tendenciosos, isso sim, para os idólatras Westcott e Hort, esses dois espíritas do Texto

Crítico de 1881. São tendenciosos, inclusive, para o catolicismo romano. Isso é um fato!

Os cristãos são convidados? Colaborar com essa apostasia seria uma desonra só traz

maldições! Apartemo-nos deles! Deixemos que eles afundem no lodo do juízo divino

sozinhos, já que não querem desistir de suas apostasias.

A editora Vida Nova não tem moral alguma para informar sobre traduções Bíblicas. É só

dar uma olhada no catálogo da Vida Nova e ver tudo o que é corrupção Bíblica que eles

empurram, incluindo as escandalosas “Almeida Século 21” e a “NVI” incluindo as

desinformações do Sr. Luiz Sayão, um dos grandes promotores da NVI.

Atentemos para o fato, portanto, de que é exatamente ela, a editora Vida Nova, junto

também com a editora Vida, que distribuem e promovem a abominável Nova Versão

Internacional! O defensor da SBB, que no item 1 zomba da tradução do inglês para o

português, agora endossa a editora Vida Nova, que distribui a NVI. Essa Bíblia corrupta é

uma passagem das abominações da NIV em inglês para o português! O defensor, agora,

foi vítima das suas próprias zombarias.Sobre a editora Vida: Será que a raposa, que tomou conta do galinheiro, vai deixar

escapar as galinhas? Claro que não!

É óbvio que essa escritora mencionada, Elizabeth M. Ekdahl desse livro “Versões da

Bíblia Porque Tantas Diferenças?” da Editora Vida Nova, está comprometida com a

FILOSOFIA da Editora Vida Nova que é:

Promover as versões modernas!

Esse é o nome do jogo! Para economizar os R$ 13,90 e 136 páginas, podemos responder

a pergunta da professora Ekdahl. Sabe “Por que tantas diferenças?” Porque Satanás no

seu plano mestre, quer desacreditar e diluir a Palavra de Deus, e para isso, falsificadores e

mercadores não faltam para serem usados por ele. Essa tarefa de Satanás foi a sua

primeira intervenção na história em Gen. 3:1 e o ciclo tem se repetido nas páginas da

Bíblia e da história e ainda se repete hoje!

Agora vem a pergunta: Não é estranho que o SAC da SBB promova uma Bíblia

concorrente? Que fenômeno de marketing intrigante e inexplicável é esse? Por que isso

ocorre? Simples: Pelo mesmo motivo que os artistas e atores e cantores ficam bajulando

uns aos outros nos programas de TV! Isso gera mais mercado para todos! Brilhante

jogada!

Vejamos a bajulação que achamos no web-site da Editora Vida sobre a SBB:

“No contexto protestante, foi publicada a Bíblia na Linguagem de Hoje

(BLH), pela Sociedade Bíblica do Brasil em 1988, marcada por sua

linguagem popular e por uma filosofia de tradução mais flexível, mas

baseada em exegese erudita e respeitada. A BLH passou por uma ampla

revisão, que deu origem à Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH),

lançada no final do ano 2000.”

Exegese erudita e respeitada!? Que piada! Para começar, numa tradução não há exegese!

Isso é tarefa do pregador ao expor a sua mensagem. Esse é um dos inúmeros erros

clamoroso da BLH! Em segundo lugar, não há nada de erudito na BLH, pois ela é baixa e

vulgar (no sentido pejorativo) infiel e herética. Será que os crentes atuais são tão néscios

que não percebem que a Igreja Católica – a grande inimiga da Palavra de Deus –

carimbou seu “Imprimatur” na BLH? A BLH é uma Bíblia Católica e a SBB se presta ao

serviço do papa!

Já que ele quiz “ajudar, vamos ajudar também: Leiamos gratuitamente o livro “Versões

Modernas da Bíblia” de David Cloud já traduzido para o Português no link abaixo e nos

libertemos das armadilhas de Satanás.

http://www.obreiroaprovado.com/estudos/variosautores/micelanea/cap26.htmlConclusão:

O grito da Reforma Protestante que ecoou nos quatro cantos da terra foi: Sola-Scriptura.

Todos nós entendemos. Só as Escrituras são a fonte de autoridade suprema e revelação de

Deus para o homem. Ela é superior às igrejas, tradições, concílios e críticos textuais.

Hoje, os aproveitadores estão querendo nos convencer de outro clamor relativista que é o

da:

Poli-Scriptura!

Qualquer aventura serve, menos a velha Almeida Corrigida e Fiel baseada por

equivalência formal no Texto Hebraico Massorético e no Texto Recebido. Rejeitemos

todas as versões modernas da Bíblia e todos os seus promotores, que um dia prestarão

contas ao Senhor da Palavra que prometeu que nenhum jota e  nenhum til se omitirá!

Pr. Pedro Almeida

Hotel em Promoção - Caraguatatuba

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.