Estudos Bíblicos Estudos da Semana Teologia Sob Medida

O que Jesus pensa sobre mulheres

Como a Palavra de Jesus Cura a Alma
Hotel em Promoção - Caraguatatuba
Faça Sua Parte - Compartilhe!

Um estranho fio percorre as mulheres mais proeminentes associadas a Jesus: são todas
mulheres de, digamos, má reputação. A maioria de suas notórias reputações vem de
escândalos sexuais. O que isso diz sobre Cristo? Muito.
Se o seu hábito é pular as genealogias no primeiro capítulo do Evangelho de Mateus, você
pode ter perdido um tesouro enterrado nesta lista de quarenta pais que compõem a
ascendência de Jesus (se contarmos José), estendendo-se até Abraão. O tesouro escondido são
as cinco mulheres: Tamar, Raabe, Rute, Bate-Seba e a mãe de Jesus, Maria. Por que eles estão
listados? E o que os torna tão valiosos quanto qualquer homem mencionou? É exatamente
isso que Mateus quer que perguntemos.

Cinco mulheres de má reputação
Tamar (Mateus 1: 3)
Tamar é o tipo de ancestral que a maioria de nós não mencionaria ao contar nossa história da
família. Você se lembra de sua história (Gênesis 38)? Ela entrou na linhagem messiânica,
disfarçando-se de prostituta e seduzindo seu sogro, Judá. A cena e a história são complicadas.
Dados os costumes culturais da época, ela agia com mais justiça do que ele, já que ele a tratara
injustamente e ela tinha pouco recurso. Ainda assim, não há como negar como foi uma
bagunça horrível.

Raabe (Mateus 1: 5)
Ela não precisava de um disfarce. Ela era uma prostituta (ou pelo menos tinha sido antes de
seu casamento). Como Raabe conseguiu se destacar no texto bíblico? Ela escondeu os espiões
militares judeus e ajudou-os a escapar, então Josué a poupou e a sua família (ver Josué 2 e 6).
Raabe se casou com Salmon, o que resultou na aparência genealógica de Jesus.

Receba Estudos no Celular!

Rute (Mateus 1:5)
Ela não estava pessoalmente envolvida em escândalo sexual, mas ela veio de um povo que era
menosprezado. Rute era uma moabita, uma nação que surgira do incesto entre Ló e sua filha
mais velha (Gênesis 19: 30–38).
O povo de Rute era pagão politeísta, ocasionalmente oferecendo sacrifícios humanos a
deuses-ídolos como Chemosh. Através de tragédia pessoal e grande lealdade, ela acabou em
Belém e nos braços de Boaz, também se juntou à árvore genealógica de Jesus.
Como isso aconteceu, visto que os judeus foram proibidos de se casarem com moabitas
(Esdras 9: 10-12)? Você tem que ler Rute – um livro inteiro de Sagrada Escritura judaica com o
nome desta moabita! Mas pegue isso: Mateus registra Boaz como o filho de Raabe e Salmão.
Se isso for verdade (genealogias antigas às vezes pulam gerações), imagine como Raabe
poderia ter preparado o jovem Boaz para ver em uma mulher estrangeira um ramo selvagem
que Deus desejava enxertar na oliveira judaica.

Bate-Seba (Mateus 1:6)
A quarta mulher é "a esposa de Urias" (Mateus 1: 6). Nós a conhecemos como Bate-Seba, a
mulher que o maior rei de Israel não pôde – ou melhor, não manteria suas mãos longe de. 2
Samuel 11 não nos diz o lado de Bathsheba desta história adúltera, mas, dado o fato de que
Davi exercia quase o poder absoluto como rei, isso era um abuso em vários níveis.
Essa única refeição imoral (Hebreus 12:16) produziu uma sequência em cascata de eventos
trágicos. Bate-Seba ficou grávida. Seu marido foi assassinado em um grande encobrimento.
Davi trouxe sobre si mesmo, e toda a sua família, uma maldição que resultou em sofrimento
horrível para muitos, particularmente Bate-Seba (ver 2 Samuel 12). E ainda assim, ela está em
primeiro plano no pano de fundo de Jesus.
Maria (Mateus 1:16)
A última da lista, mas certamente não menos importante, é Maria, a mãe de Jesus (Mateus
1:16). Ela ficou grávida de Jesus antes de seu casamento. O pai da criança não era seu noivo,
Joseph. A sombra dessa gravidez "ilegítima" teria permanecido sobre sua reputação (e do
filho) por toda a vida terrena.

As primeiras mulheres de Jesus
Mais duas mulheres aparecem com destaque na vida de Jesus e vale a pena mencionar aqui.
Em João 4, Jesus encontra uma mulher samaritana de Sychar ao meio-dia no poço de Jacó
(João 4: 6). Como Raabe e Rute (e talvez Tamar), essa mulher não era judia. E como Tamar,
Raabe e Bate-Seba, esta mulher conhecera numerosos homens – cinco maridos e pelo menos
um “outro significativo” não cúmplice (João 4: 17-18). E, no entanto, no Evangelho de João,
essa mulher é a primeira pessoa a quem Jesus explicitamente se revela como o Messias (João
4: 25–26). A primeira pessoa: essa mulher.
E depois há Maria Madalena. A Bíblia nos diz pouco sobre Maria, além de que ela tinha sete
demônios expulsos dela (Lucas 8: 1-3), estava presente na crucificação de Jesus (João 19:25),
viu onde Jesus foi sepultado (Marcos 15:47) e viu o Jesus ressuscitado (Mateus 28: 1–10).
A história, no entanto, tendeu a lembrar-se de Maria como uma mulher com um passado
sexual sórdido. Não temos certeza do porquê. Parece razoável que um remanescente vago e
persistente do que uma vez foi sua vergonha pública se apegue à sua reputação de destacar a
graça de seu Salvador.
O que é tão surpreendente em relação a Maria Madalena é que ela foi a primeira pessoa a
quem Jesus apareceu após ter ressuscitado dos mortos (João 20: 11–18). A primeira pessoa!
Jesus não apareceu primeiro a sua mãe, nem a Pedro, mas a uma mulher anteriormente imoral
e anteriormente demonizada.
Uma graciosa irmandade
Por que Maria Madalena? Por que a mulher no poço? Por que Maria de Nazaré, não casada?
Por que Bate-Seba, Rute, Raabe e Tamar? Por que Deus escolheu fazer essas mulheres de má
reputação tão proeminentes na história da redenção?

Para colocar a ênfase da história na redenção.
Todas essas mulheres compartilham isso em comum: um passado vergonhoso. Eles ou
cometeram ou sofreram desgraça. Quer os merecessem ou não, cada um deles tinha uma
reputação manchada. Eles suportaram o desprezo dos outros e sentiram a dor da verdadeira
vergonha. Pelo menos quatro dos seis teriam carregado memórias extremamente dolorosas e
sórdidas.
Mas Deus não os vê mais como vergonhosos, mas cheios de graça. Deus mudou suas
identidades. Em vez de mulheres de má reputação, ele as tornou ancestrais ou discípulas do
Messias. Eles são arquétipos do que ele faz para todos os seus filhos. Deus está dizendo em
voz alta através de cada mulher:
, se alguém está em Cristo, ele é uma nova criação. O velho já passou; eis que o novo chegou.
Tudo isso é de Deus, que através de Cristo nos reconciliou consigo mesmo e nos deu o
ministério da reconciliação. (2 Coríntios 5: 17–18)

O velho já passou
Em Cristo, o velho passou! Jesus tira a velha reputação. Em Jesus, seu pecado do passado ou o
abuso e a injustiça que você sofreu, e as formas pelas quais você viu a si mesmo e aos outros o
viram por causa disso, não são quem você é. Em Jesus, o seu Pai celestial diz:
Você é meu filho (Efésios 1: 5). Eu te lavei e te fiz santificado (1 Coríntios 6:11). Você está limpo
e ninguém tem autoridade para dizer o contrário (Atos 10:15). E você é meu amado (Romanos
9:25). Eu removi todas as suas letras escarlates (Salmos 51: 7).

Fonte: Eismeaqui.com.br

Postagem Original:

Divulgação: Eis-me Aqui!

Hotel em Promoção - Caraguatatuba