Cidadania e Política Igreja Perseguida Últimas Notícias

Muçulmanos se unem para acusar falsamente pastor que tentou construir igreja, na Tanzânia

Muçulmanos se unem para acusar falsamente pastor que tentou construir igreja, na Tanzânia
Hotel em Promoção - Caraguatatuba

O pastor Sylvester foi acusado de se apropriar indevidamente de um terreno que ele mesmo havia comprado.

Faça Sua Parte - Compartilhe!

Sylvester Paulo Mkina é um pastor de 35 anos, na Tanzânia. Ele foi preso e condenado a sete anos por supostamente comprar um terreno de modo fraudulento. Mas, o que de fato aconteceu é que a comunidade muçulmana se voltou contra ele quando descobriram que o líder queria construir uma nova igreja.

Mesmo com as evidências e testemunhos de que ele era o proprietário da terra por direito, a sentença foi confirmada. A ação de prender o pastor faz parte de uma campanha para puni-lo. Um dos motivos é o fato dele ter abandonado o islamismo e ter se convertido ao cristianismo.

Sylvester se converteu em 1998. Após sua decisão, ele passou a enfrentar o abandono e a rejeição de seus familiares de fé muçulmana. Até mesmo sua esposa lhe virou as costas. Desde a separação, ele permaneceu solteiro, cuidando dos dois filhos. No ano de 2006, Sylvester foi consagrado a pastor e já foi líder de várias igrejas.

Receba Estudos no Celular!

Todos contra um

O maior motivo de Sylvester ter sido preso foi o fato dele ter comprado um terreno no vilarejo predominantemente muçulmano de Mlandizi, no distrito de Kibaha, na região de Pwani. Ele queria construir sua casa e uma igreja na aldeia e por isso comprou o terreno que pertencia ao chefe do vilarejo, Sr. Lukas.

Algum tempo depois, o antigo proprietário da terra negou que havia vendido o terreno para Sylvester e alegou que o terreno ainda pertencia ao governo. Apesar de outras pessoas terem comprado terras do Sr. Lukas na mesma área, elas não enfrentam o mesmo problema.

Foi quando os moradores da comunidade muçulmana se uniram para acusar o pastor, em setembro de 2017. Sabe-se que eles fizeram isso porque ficaram sabendo da conversão e consideram proibido que um não-muçulmano possua um terreno entre eles.

Tentativas em vão

Para provar sua inocência, o pastor apresentou os documentos legais mostrando que o terreno de fato era dele. Alguns moradores e membros do conselho do vilarejo testificaram que o terreno era propriedade legal de Sylvester, mas a corte dispensou as evidências.

Na segunda audiência, em outubro de 2017, ele pediu para pagar fiança, mas seu pedido foi negado.  Pouco tempo depois, Mwailolo (o juíz) e todos os policiais envolvidos no caso foram transferidos para outros postos de trabalho e o caso passou a ser conduzido pela justiça de Nyanyembe.

Sylvester foi considerado culpado e condenado a sete anos de prisão, no dia 31 de outubro de 2017. Agora, o líder cristão está cumprindo pena na prisão de Nachingwea, na região de Lindi. Lá, ele e os outros prisioneiros trabalham para construir outra prisão. Sua sentença tem sido cuidada por um advogado que apelou e fez pedido de pagamento de fiança. Uma nova audiência deve acontecer no dia 19 de abril.

Fonte: Guiame

Hotel em Promoção - Caraguatatuba