Igreja Perseguida Últimas Notícias

China expulsa quase 1.000 cristãos que ajudaram fugitivos da Coreia do Norte

China expulsa quase 1.000 cristãos que ajudaram fugitivos da Coreia do Norte
Hotel em Promoção - Caraguatatuba

A deportação dos cristãos sul-coreanos precede o plano da China de implementar novos regulamentos sobre assuntos religiosos.

Faça Sua Parte - Compartilhe!

Três províncias da China expulsaram centenas de cristãos (quase 1.000) sul-coreanos, acusados de terem ajudando os ‘desertores’ (fugitivos) norte-coreanos, enquanto o governo comunista do país continua com sua repressão sobre as atividades religiosas, de acordo com um relatório.

Desde o final do ano passado, as províncias de Liaoning, Jilin e Heilongjiang no nordeste da China deportaram centenas de cerca de mil pastores e missionários sul-coreanos na tentativa de fechar suas igrejas, de acordo com o jornal britânico Express.

Em Changchun, a capital da província de Jilin, todas as igrejas sul-coreanas estavam fechadas no início deste mês, segundo o relatório, citando uma fonte dizendo: “Como foram ‘enviados de volta para casa’, as igrejas foram fechadas automaticamente”.

Receba Estudos no Celular!

A deportação dos cristãos sul-coreanos precede o plano da China de implementar novos regulamentos sobre assuntos religiosos para “erradicar o extremismo”. As novas leis serão aplicadas no início de fevereiro de 2018.

De acordo com os novos regulamentos, qualquer pessoa que organize “atividades religiosas não aprovadas” será multada em até 45.200 dólares e qualquer pessoa que fornecer um local para “eventos religiosos ilegais” será multada em cerca de 30.000 dólares Além disso, as nosvas leis também habilitam as autoridades de nível inferior a tomarem medidas sobre “atividades religiosas não sancionadas”.

O governo chinês tem rotineiramente ordenado a prisão de cristãos locais e o fechamento de igrejas, muitas vezes sem acusações formais ou qualquer embasamento na atual lei do país.

Bob Fu, fundador e presidente da ‘China Aid’, uma organização que documenta a perseguição sofrida por cristãos na China, disse anteriormente ao ‘Christian Post’ que o Partido Comunista está cada vez mais receoso com o avanço do cristianismo no país.

“A liderança superior está cada vez mais preocupada com o rápido crescimento da fé cristã, sua presença pública e sua influência social. É um medo político para o Partido Comunista, já que o número de cristãos no país supera em muito os membros do Partido”, explicou.

As igrejas subterrâneas [“clandestinas”] foram invadidas, os pastores foram presos, as cruzes foram arrancadas dos telhados e ativistas cristãos foram assediados e torturados sob a liderança do presidente Xi Jinping, visando suprimir o surgimento do cristianismo no país.

Fu disse que o governo quer “sinicizar” a religião, o que significa promover e orientar a religião sob a orientação das autoridades chinesas.

Fonte: guiame

Hotel em Promoção - Caraguatatuba