Últimas Notícias

Israel inicia ataques em Gaza e diz que não vai deixar “terroristas definirem a agenda”

Israel inicia ataques em Gaza e diz que não vai deixar “terroristas definirem a agenda”
Hotel em Promoção - Caraguatatuba
Faça Sua Parte - Compartilhe!


A “Operação Amanhecer” foi lançada pelas Forças de Defesa de Israel na Faixa de Gaza.

Israel anunciou a “Operação Amanhecer”, iniciada com ataques na Faixa de Gaza na tarde desta sexta-feira (05) contra alvos do grupo terrorista Jihad Islâmica Palestina (JIP).

Segundo líderes da IDF (Forças de Defesa de Israel), as ações foram necessárias após o grupo se recusar a desistir de suas intenções de realizar ataques contra o território israelense.

Receba Estudos no Celular!

O primeiro-ministro Yair Lapid fez uma declaração conjunta com o ministro da Defesa, Benny Gantz, afirmando que Israel “não permitirá que organizações terroristas definam a agenda em cidades próximas à Faixa de Gaza e ameacem os cidadãos de Israel”.

O chefe militar Aviv Kohavi (à direita), o ministro da Defesa Benny Gantz (centro) e o chefe do Shin Bet, Ronen Bar, realizam uma avaliação no QG do Comando Sul da IDF em Beersheba, 5 de agosto de 2022. (Foto: Ariel Hermoni/Ministério da Defesa)

Segundo o Times of Israel, no início do dia, Gantz havia alertado que Israel agiria se o grupo terrorista não interrompesse seus preparativos para um ataque. A PIJ vinha ameaçando desde terça-feira atacar em resposta à prisão de seu líder na Cisjordânia, causando dias de fechamento de estradas e bloqueios comunitários em áreas próximas à fronteira sob ameaça imediata.

Segundo informações do Hamas, que administra o Ministério da Saúde palestino, pelo menos oito pessoas foram mortas, incluindo uma menina de 5 anos, e outras 40 ficaram feridas.

Autoridades israelenses disseram que a operação militar visava especificamente a PIJ, esperando manter o Hamas em grande parte fora do conflito, como fez durante um surto após o assassinato de Abu al-Ata.

Em entrevista ao Canal 12 de notícias, a ministra do Interior Ayelet Shaked disse que o governo decidiu “que não estamos preparados para ser reféns de um grupo terrorista de Gaza”.

“Não sabemos como esse [conflito] vai se desenrolar… mas isso pode levar tempo… Esta pode ser uma rodada longa [de conflito] e difícil”, acrescentou.

Defesa em alerta

Os militares anunciaram a implantação do sistema de defesa aérea Iron Dome próximo de Tel Aviv, Jerusalém e Beersheba, uma vez que antecipou a retaliação da Jihad Islâmica na forma de ataques com foguetes.

Eles também disseram que uma “situação especial” foi declarada na frente doméstica, até 80 quilômetros de Gaza – uma área que se estende ao norte até Tel Aviv, segundo o Times of Israel.

Uma “situação especial” é um termo legal usado em tempos de emergência, concedendo às autoridades maior jurisdição sobre a população civil a fim de agilizar os esforços para salvaguardar a população, diz a reportagem.

Abrigos antiaéreos

A população que mora em áreas próximas à fronteira foi instruída a permanecer perto de abrigos antiaéreos, e nas áreas de Laquis e Negev central as reuniões foram restritas. Os abrigos antibombas públicos foram abertos na cidade de Berseba.

Uma fonte de segurança não identificada disse ao novo site Ynet que “esforços para fazer a Jihad Islâmica descer” de suas intenções de realizar um ataque “se esgotaram”. Ele disse que “é por isso que Israel iniciou um ataque contra o grupo” e acrescentou que Israel se esforçará para manter o Hamas fora do conflito.

De acordo com o Times of Israel, as tensões ao redor da Faixa de Gaza aumentaram após a prisão de Bassam Saadi em Jenin na noite de segunda-feira. Desde então, as Forças de Defesa de Israel reforçaram as forças e fecharam rotas ao longo da fronteira devido ao medo de uma vingança iminente de um míssil guiado antitanque ou um ataque de atiradores da Jihad Islâmica.

Ameaças

As precauções colocaram em grande parte os moradores das comunidades fronteiriças sob bloqueio.

“Para nossos inimigos em geral e para os líderes do Hamas e da Jihad Islâmica, digo explicitamente: ‘Seu tempo é limitado. A ameaça será removida de uma forma ou de outra’”, disse Gantz durante uma coletiva de imprensa no Comando Sul militar em Beersheba.

Ele disse que o grupo terrorista estava mantendo os cidadãos de Gaza “reféns”, pois devido às suas ameaças, a Passagem de Erez – usada por milhares de palestinos por dia – permanece fechada.

“Quem roubar o sustento de 14.000 trabalhadores, fizer apodrecer produtos agrícolas nas passagens, causar falta de eletricidade e alimentos, antes de tudo, prejudica os moradores de Gaza e terá a responsabilidade”, disse ele.

As declarações de Gantz vieram após uma avaliação de duas horas realizada com o primeiro-ministro Yair Lapid e oficiais militares.

Gantz então se reuniu com prefeitos e líderes de comunidades de cidades ao longo da fronteira com Gaza, à medida que a raiva aumentava com os fechamentos. Em alguns casos, os moradores não puderam deixar suas cidades desde a manhã de terça-feira.

Ele disse que os moradores das comunidades fronteiriças de Gaza “demonstraram ao longo dos anos uma resiliência civil que merece total apreciação”.

“Nossa missão é garantir que a tensão acabe e a rotina retorne. Digo aos moradores das redondezas, estamos com vocês e faremos todo o necessário para protegê-los, com responsabilidade, decisão e de acordo com as considerações de uso da força que levarão ao resultado desejado”, disse Gantz na entrevista coletiva.

Também na sexta-feira, o site de notícias Walla informou que um representante da ONU visitou a família de Saadi em Jenin, como parte dos esforços para evitar uma erupção de violência.

Reforço militar

Na quinta-feira, a divisão militar de Gaza foi reforçada com artilharia, engenharia, infantaria, blindados e forças especiais.

Drones armados sobrevoaram a Faixa nos últimos dias, com a IDF trabalhando para frustrar as tentativas dos esquadrões da Jihad Islâmica de lançar um ataque desse tipo na fronteira.

O chefe militar Aviv Kohavi também visitou o sul de Israel na sexta-feira. Na quinta-feira, Kohavi instruiu as IDF a aumentar a prontidão dos militares para uma escalada, fortalecer as defesas e aumentar os esforços de inteligência. Ele também aprovou planos para ações ofensivas, no caso de um ataque da Jihad Islâmica na fronteira.

Segundo o Shin Bet, Saadi, de 61 anos, foi preso e libertado por Israel sete vezes ao longo dos anos. O Shin Bet disse que, nos últimos meses, Saadi “trabalhou ainda mais para restaurar as atividades da PIJ e estava por trás da criação de uma força militar significativa para a organização [no norte da Cisjordânia] em geral e em Jenin em particular”.

“Sua presença foi um fator significativo na radicalização dos agentes da organização em campo”, acrescentou o Shin Bet.

O Times of Israel informa que Jenin é amplamente vista como um foco de atividade terrorista. Homens armados e outros agressores por trás de vários ataques terroristas mortais no início deste ano vieram da cidade e de seu campo de refugiados.

Em um ataque antes do amanhecer na cidade de Burqin, na Cisjordânia, perto de Jenin, as tropas prenderam um palestino procurado, disse a IDF na manhã de sexta-feira.

Fonte: Guiame.com.br

Postagem Original: https://guiame.com.br/gospel/noticias/israel-inicia-ataques-em-gaza-e-diz-que-nao-vai-deixar-terroristas-definirem-agenda.html

Hotel em Promoção - Caraguatatuba

Eis-me Aqui