Cidadania e Política Igreja Perseguida Últimas Notícias

Igrejas cristãs voltam a ser incendiadas no Sudão do Sul

Hotel em Promoção - Caraguatatuba
Faça Sua Parte - Compartilhe!


Muçulmanos da área de Bout ficaram preocupados com a presença das igrejas e são suspeitos dos incêndios.

Três semanas após o incêndio de igrejas no Sudão, diversa estruturas que foram levantadas como lugares de culto para abrigar os fiéis temporariamente também foram queimadas. As ações criminosas, provocadas por muçulmanos aconteceram em 16 de janeiro, segundo fontes disseram ao Morning Star News.

No estado do Nilo Azul, no sudeste do país, os muçulmanos de Bout, no distrito de Tadamon, são suspeitos de incendiar as estruturas erguidas depois que incendiários destruíram, em 28 de dezembro, os prédios da Igreja do Interior do Sudão, da Igreja Católica Romana e da Igreja Ortodoxa.

Receba Estudos no Celular!

“Este incidente é verdadeiro, as três igrejas foram incendiadas duas vezes em menos de um mês”, disse ao Morning Star News o pastor em Maban, cujo nome verdadeiro é oculto por razões de segurança.

Alguns muçulmanos da área de Bout ficaram preocupados com a presença das igrejas lá e são suspeitos dos incêndios, disse ele.

Uma organização de defesa dos direitos humanos criticou a polícia por não tomar medidas depois que os cristãos da área solicitaram uma investigação. O ministro sudanês de Assuntos Religiosos Nasr al-Din Mufreh divulgou um comunicado dizendo que a polícia prendeu e interrogou um suspeito que foi libertado por falta de provas, segundo um relatório.

Afirmando que apenas um prédio da igreja foi queimado, Mufreh disse que o Sudão estava comprometido com a liberdade religiosa e protegendo as casas de culto de qualquer ameaça.

A polícia continuará investigando, disse Mufreh em comunicado emitido enquanto ele estava em uma visita oficial a Washington DC. “Se for provado que [os incêndios] ocorreram como resultado de um crime, os autores serão identificados, perseguidos e levados à justiça”, teria dito.

À luz dos avanços na liberdade religiosa desde que o ex-presidente Omar al-Bashir foi deposto em abril, o Departamento de Estado dos EUA anunciou em 20 de dezembro que o Sudão havia sido removido da lista de Países de Preocupação Particular (CPC) que envolvem ou toleram violações contínuas e flagrantes da liberdade religiosa “e foi atualizado para uma lista de observação”.

O Sudão foi designado CPC pelo Departamento de Estado dos EUA desde 1999. Após a secessão do Sudão do Sul em 2011, Bashir prometeu adotar uma versão mais rígida da sharia (lei islâmica) e reconhecer apenas a cultura islâmica e o idioma árabe.

Líderes da igreja disseram que as autoridades sudanesas demoliram ou confiscaram igrejas e limitaram a literatura cristã sob o pretexto de que a maioria dos cristãos deixou o país após a secessão do Sudão do Sul.

Histórico de perseguição

Em abril de 2013, o então ministro sudanês de Orientação e doações anunciou que não seriam concedidas novas licenças para a construção de novas igrejas no Sudão, citando uma diminuição na população do sul do Sudão.

O Sudão, desde 2012, expulsou cristãos estrangeiros e destruiu igrejas. Além de invadir livrarias cristãs e prender cristãos, as autoridades ameaçaram matar os cristãos do Sudão do Sul que não os deixaram ou cooperaram com eles em seus esforços para encontrar outros cristãos.

Após a deposição de Bashir, os líderes militares formaram inicialmente um conselho militar para governar o país, mas outras demonstrações os levaram a aceitar um governo de transição de civis e figuras militares, com um governo predominantemente civil a ser eleito democraticamente em três anos.

Espera-se que os cristãos tenham maior voz sob o novo governo. Entre as 11 pessoas nomeadas para um Conselho de Soberania para supervisionar a transição para o governo civil no Sudão está Raja Nicola Eissa Abdel-Masih, uma cristã copta que por muito tempo atuou como juíza no Ministério da Justiça do Sudão.

Ela era uma das seis civis nomeadas para o conselho em 21 de agosto. O ministro de Assuntos Religiosos, Mufreh, disse a Asharq Al-Awsat que seu ministério lutaria contra o terrorismo, extremismo e noções de takfiri – punições por deixar o Islã. Mufreh trabalhou anteriormente como líder na mesquita de Al-Ansar em Rabak, ao sul de Cartum.

O novo governo empossado em 8 de setembro de 2019, liderado pela primeira-ministra Abdalla Hamdok, uma economista, tem a tarefa de governar durante um período de transição de 39 meses. Enfrenta os desafios de erradicar a corrupção de longa data e um “estado profundo” islâmico enraizado nos 30 anos de poder de Bashir.

O Sudão ficou em 7º lugar na lista de observação mundial da Portas Abertas de 2020 onde é mais difícil ser cristão.

Fonte: Guiame.com.br

Postagem Original: https://guiame.com.br/gospel/missoes-acao-social/igrejas-cristas-voltam-ser-incendiadas-no-sudao-do-sul.html

Hotel em Promoção - Caraguatatuba