Últimas Notícias

Heróis da Fé: William Holman Hunt retratava as verdades bíblicas em suas telas

Hotel em Promoção - Caraguatatuba
Faça Sua Parte - Compartilhe!


Ansioso para obter precisão em suas pinturas bíblicas, William Holman Hunt fez a primeira de quatro viagens ao Oriente Médio.

William Holman Hunt, nasceu em 2 de abril de 1827, em Londres, Inglaterra, em uma família de classe trabalhadora e cresceu em um ambiente onde a leitura da Bíblia era incentivada.

Ele começou a trabalhar como balconista aos 12 anos, mas logo entrou na escola de artes.

Receba Estudos no Celular!

Em 1843, Hunt ingressou nas escolas da Royal Academy, onde conheceu seu amigo de longa data, o pintor John Everett Millais. A opinião pública inicialmente foi hostil a Hunt.

Em 1848, junto com Dante Gabriel Rossetti e John Everett Millais, fundou a Irmandade Pré-Rafaelita, buscando um retorno ao dinamismo, cor e detalhe dos pintores medievais.

Alguns anos depois, em 1854, “A Luz do Mundo” (Keble College, Oxford), uma alegoria de Cristo batendo à porta da alma humana, foi defendida por John Ruskin e trouxe a Hunt seu primeiro sucesso público.

No mesmo ano, Hunt iniciou uma visita de dois anos à Síria e à Palestina, onde completou, em 1855, “O Bode Expiatório”, uma pintura que retrata um animal proscrito nas margens do Mar Morto.

Reprodução da tela “O Bode Expiatório”. (Foto: Reprodução / Udel)

Entre as mais importantes de suas pinturas posteriores estão “The Triumph of the Innocents” (duas versões: 1884, Tate Gallery, Londres; 1885, Liverpool), “May Morning on Magdalen Tower” (1889; Lady Lever Art Gallery) e “O Milagre do Fogo Sagrado ”(1898), terminado pouco antes de sua visão começar a falhar.

O estilo de Hunt é caracterizado por cores claras e fortes, iluminação brilhante e delineamento cuidadoso de detalhes.

Fé cristã e obras bíblicas

Hunt logo adquiriu seu próprio estilo distinto, pintando em cores vivas com iluminação brilhante e detalhes extraordinários, e com um compromisso notável com a precisão. À medida que sua carreira artística começou a crescer, Hunt começou a retornar do ateísmo à fé cristã.

Cada vez mais suas pinturas transmitiam uma mensagem aberta ou sutil. Ao pintar A Luz do Mundo em 1851, Hunt sentiu que, de alguma forma, havia encontrado Cristo.

Uma pintura típica de Hunt da mesma época é The Awakening Conscience, que à primeira vista parece ser apenas um casal em desacordo. Olhando mais de perto, observamos detalhes, incluindo a falta de uma aliança de casamento, que nos diz que este é o momento em que a amante de um homem repentinamente se dá conta da possibilidade de arrependimento.

Hunt, ansioso para obter precisão em suas pinturas bíblicas, fez a primeira de quatro viagens ao Oriente Médio. Como muitos viajantes vitorianos, ele se apaixonou pela natureza da região e passou sete anos lá.

Durante sua primeira visita, ele produziu o notável O bode expiatório. Embora se referindo ao animal de Levítico 16:22 que carregou os pecados do povo de Deus para o deserto, Hunt também o viu como apontando para Cristo como o último portador do pecado e fez com que Isaías 53: 4 pintasse na moldura: ‘Certamente ele carregou nossas dores, e carregamos nossas tristezas; contudo, o consideramos abatido, ferido por Deus e aflito. ‘

Em 1865, Hunt se casou com Fanny Waugh, que infelizmente morreu no parto em uma turnê italiana com ele no ano seguinte. Em 1875, Hunt casou-se com a irmã mais nova de Fanny, Edith.

Hunt continuou a produzir telas dramáticas, muitas vezes com uma mensagem espiritual, e se tornou popular entre o público.

Artista notável

Hunt foi um notável artista e cristão, e em muitos aspectos um evangélico. Ele seu talento para comunicar a verdade cristã. Suas primeiras audiências, acostumadas com a “arte religiosa”, demoraram a entender sua pintura. Em “A Sombra da Morte”, ele pinta Jesus como um carpinteiro de peito nu em sua oficina, esticando bem os braços cansados, e sua mãe Maria de costas. Para algumas pessoas, o realismo e a autenticidade eram demais.

Praticamente todas as suas pinturas transmitem uma mensagem, seja sutil ou óbvia. Em “A descoberta do Salvador no templo” ou “A caça às sombras da morte” lembra que a história bíblica não é um conto de fadas, mas relatos da vida real de pessoas que existiram e eventos que aconteceram.

Reprodução da tela “A Descoberta do Salvador no Templo”. (Foto: Reprodução / Wahoort)

Muitas das telas de Hunt podem ser consideradas “sermões pintados”. Um dos comentários desdenhosos sobre ele é que ele era um “moralista”. Muitas de suas pinturas tratam da conversão de uma forma ou de outra e, frequentemente, ele parece estar soando um alerta.

Em “O pastor mercenário”, temos um pastor que está preocupado com uma atraente garota do campo, enquanto no fundo as ovelhas estão perdidas e em perigo. É uma referência de Jesus em João 10: 11-15 ao ‘trabalhador contratado’ que, não sendo pastor, não se importa com as ovelhas. Há um aviso poderoso nisso para todos em qualquer posição de responsabilidade da igreja: não se distraia, cuide do rebanho.

Reprodução da tela “O pastor mercenário”. (Foto: Reprodução / Wahoort)

Hunt faleceu aos 83 anos, em 7 de setembro de 1910, na mesma cidade onde nasceu. Ele foi enterrado na Catedral San Paul, perto de sua versão final de A Luz do Mundo.

Fonte: Guiame.com.br

Postagem Original: https://www.guiame.com.br/gospel/mundo-cristao/herois-da-fe-william-holman-hunt-retratava-verdades-biblicas-em-suas-telas.html

Hotel em Promoção - Caraguatatuba

Eis-me Aqui