Estudos Bíblicos Estudos da Semana Perguntas e Respostas Teologia Sob Medida Últimas Notícias

Qual é a causa das divisões da igreja? Como pode ocorrer a cura após a divisão de uma igreja?

Qual é a causa das divisões da igreja? Como pode ocorrer a cura após a divisão de uma igreja?
Hotel em Promoção - Caraguatatuba
Faça Sua Parte - Compartilhe!

Os problemas que levam a divisões de igrejas são uma ocorrência triste e muito comum no corpo de Cristo. Os efeitos de uma divisão da igreja, independentemente da causa, podem ser devastadores. Essa divisão aflige e desanima os crentes maduros, desilude os novos crentes, causa estragos na vida dos pastores e de suas famílias e traz reprovação ao nome de Cristo. Mas há esperança; igrejas que se dividem podem experimentar cura e restauração.

As igrejas são como hospitais, cheias de feridos e enfermos, mas na igreja a doença é o pecado e as feridas são aquelas que infligimos a nós mesmos e uns aos outros por causa do pecado. Um pecado que causa vários problemas é a falta de perdão. Nenhum cristão é perfeito e nenhum pastor, presbítero ou diácono é perfeito. Quando todas essas pessoas imperfeitas se reúnem, desentendimentos, mágoas e mal-entendidos são inevitáveis. Se nossas expectativas em relação aos outros são muito altas, a decepção é inevitável e pode causar mais sentimentos de mágoa e ressentimento. Nossa resposta um ao outro deve ser perdoar uns aos outros com bondade, compaixão (Efésios 4:32; Colossenses 3:13) e amor cristão, o qual cobre uma multidão de pecados e é seguido por um maior compromisso de servir uns aos outros (1 Pedro 4:8-11). Uma vez que estamos comprometidos em perdoar, amar e servir uns aos outros, veremos as diferenças uns dos outros sob uma nova luz. Mas se reagirmos às diferenças de opinião, particularmente aquelas relacionadas a assuntos não essenciais, tomando partido e fofocando, a divisão aumentará, mais danos serão causados aos membros da igreja e nossa mensagem ao mundo ficará ainda mais comprometida.

Uma divisão de igreja pode acontecer quando alguém tenta manipular pessoas e/ou eventos para seus próprios fins. Pode ser que haja orgulho em obedecer às regras e aqueles que não as seguem talvez sejam maltratados. Pode ser que uma interpretação de uma doutrina não essencial e obscura seja enfatizada e usada como medida para determinar quem está incluído e quem está excluído. Ou pode ser que alguém queira arrancar a liderança do pastor ou dos presbíteros e reunir um grupo de pessoas ao seu redor para realizar esse objetivo. Infelizmente, diferenças de opinião em relação à música e ao estilo de adoração também são uma causa frequente de divisão na igreja. As desculpas para o conflito são inúmeras, mas todas derivam da mesma causa básica – orgulho e egoísmo. Tiago 4:1-3 diz: “Donde vêm as guerras e contendas entre vós? Porventura não vêm disto, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam? Cobiçais e nada tendes; logo matais. Invejais, e não podeis alcançar; logo combateis e fazeis guerras. Nada tendes, porque não pedis. Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites.”

Receba Estudos no Celular!

Também deve ser considerado que nem todos os que se sentam na igreja semana após semana são verdadeiramente cristãos. Nem todos os que se identificam com o nome de Cristo pertencem a Ele, assim como o próprio Jesus ensinou em Mateus 7:16-23. Podemos identificar o verdadeiro e o falso pelos frutos que produzem. Os verdadeiros cristãos mostram o fruto do Espírito que habita neles (Gálatas 5:22-23), enquanto o joio entre o trigo semeia discórdia e dissensão. Precisamos estar atentos àqueles que o inimigo coloca entre nós e exercer sabedoria e discernimento, utilizando a disciplina da igreja quando necessário (Mateus 18:15-20) e falando a verdade em amor em todas as coisas (Mateus 10:16; Efésios 4:15).

Em última análise, cada igreja local é composta de membros individuais, e como esses membros vivem afeta o funcionamento da igreja. Paulo admoesta a igreja em Roma a se comportar decentemente: “Andemos honestamente, como de dia: não em glutonarias e bebedeiras, não em impudicícias e dissoluções, não em contendas e inveja” (Romanos 13:13). Os membros da igreja são influenciados diariamente por uma cultura imoral, e uma hora por semana na igreja é totalmente inadequada para conter a influência da cultura. A transformação do coração é realizada pela obra do Espírito Santo em nossas vidas. É responsabilidade de cada crente seguir diligentemente a Cristo e fazer o trabalho de crescimento espiritual, fazendo coisas como ler e estudar a Bíblia regularmente, passar tempo com Deus em oração e ter comunhão com outros crentes além de apenas sentados juntos em uma igreja durante o culto de domingo (Filipenses 2:12–13). A frequência à igreja é vital, mas viver a vida cristã é muito mais do que simplesmente ir à igreja semanalmente. O padrão do mundo é de autopromoção, autoestima e autoadoração, atribuindo valor a outras pessoas apenas na medida em que estão dispostas a nos idolatrar da mesma forma que idolatramos a nós mesmos. Tal atitude sempre leva a “contendas e inveja”, os resultados inevitáveis da adoração ao deus do “eu”. A cura se encontra em Tito 2:11-13: “Porque a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens, ensinando-nos, para que, renunciando à impiedade e às paixões mundanas, vivamos no presente mundo sóbria, e justa, e piamente, aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus.” A graça de Deus, derramada sobre aqueles que pertencem a Ele pela fé em Cristo, nos permite negar as paixões mundanas, abandonar a imoralidade e viver em humildade piedosa para com os outros: “nada façais por contenda ou por vanglória, mas com humildade cada um considere os outros superiores a si mesmo” (Filipenses 2:3).

As divisões da igreja são curadas por meio do arrependimento e da humildade. Se houver desacordo, o melhor seria que ambos os lados se arrependessem de tudo o que foi dito ou feito de maneira desamorosa durante o desacordo. O arrependimento inclui buscar o perdão da pessoa ofendida pelo comportamento de outra. Com humildade, cada um deve aceitar as desculpas do outro, comprometendo-se a seguir em frente nos laços do amor cristão.

Há um caso específico em que seria apropriado deixar um grupo. Se a liderança de uma igreja abandona posições bíblicas em questões-chave como a divindade de Jesus Cristo, o nascimento virginal, Deus como Criador, a inspiração e autoridade das Escrituras ou outras doutrinas fundamentais, então é apropriado (e talvez obrigatório) deixar esse grupo.

As causas das divisões na igreja são muitas, mas, em última análise, a principal razão para a divisão da igreja é que alguém desviou o foco de Jesus Cristo e começou a usar a organização da igreja para seus próprios fins. A igreja deve ser mais organismo (coisa viva) do que organização. O apóstolo Paulo usa a analogia do corpo para descrever a igreja. Em 1 Coríntios 12 e Romanos 12, ele chama a igreja de corpo de Cristo. Devemos ser o corpo que faz a vontade da Cabeça, Jesus Cristo. Se todos no corpo estão focados em fazer a vontade de Deus e adorar Jesus Cristo com amor e humildade, então pode haver desacordo, mas o desacordo será resolvido de maneira amorosa e apropriada.

Fonte: GotQuestions.org

Divulgação: Eis-me Aqui!

Hotel em Promoção - Caraguatatuba

Eis-me Aqui