Dúvidas Bíblicas - Levíticos

Como pode a Bíblia afirmar que o arganaz e a lebre ruminam, se hoje a ciência sabe que eles não ruminam?

Como pode a Bíblia afirmar que o arganaz e a lebre ruminam, se hoje a ciência sabe que eles não ruminam?
Hotel em Promoção - Caraguatatuba
Faça Sua Parte - Compartilhe!

REFERÊNCIA: Levítico 5-6

PROBLEMA: Em Levítico 11.5-6, dois animais, o  arganaz e a lebre, foram dados como imundos porque, embora ruminem, não têm as unhas fendidas. A ciência, porém, descobriu que esses dois animais não ruminam. Não é então um erro a Bíblia dizer que eles ruminam, quando na verdade não ruminam?

SOLUÇÃO: Embora esses dois animais não ruminem, no sentido moderno e técnico da expressão, para um observador, eles de fato têm um comportamento que faz parecer que estejam ruminando; Assim, eles foram relacionados junto com outros animais que de fato ruminam para que qualquer s um pudesse distingui-los como imundos, pelo critério da observação.

Receba Estudos no Celular!

Os animais que ruminam são identificados como ruminantes; eles trazem de volta o alimento até a boca para ser novamente mastigado. Os ruminantes normalmente têm quatro estômagos. Nem o arganaz nem a lebre são ruminantes e sob o ponto de vista científico realmente não Ti ruminam. Entretanto, esses dois animais movem o queixo de tal maneira que é como se estivessem ruminando. Esse hábito neles é tão convincente que um grande cientista sueco, Linnaeus, de início os tinha classificado como ruminantes.

Sabe-se agora que as lebres praticam o que se chama “reflexão”, processo em que certos alimentos vegetais indigestos absorvam certas bactérias e são engolidos e depois comidos de novo. Esse processo permite que a lebre possa digeri.-los com maior facilidade e é muito semelhante à ruminação. Assim, a frase hebraica “porque rumina” não deve ser entendida no sentido científico moderno, mas no sentido antigo de haver um movimento que, nas palavras de hoje, tanto pode ser a ruminação como a reflexão.

A relação de animais puros e imundos destinava-se a ser um meio prático para os israelitas distinguirem o que deveriam ou não comer. O israelita daquela época seguramente não conhecia os aspectos técnicos da ruminação, e poderia então considerar o arganaz e a lebre como puros por parecer ruminar. Em vista disso, foi necessário destacar que, embora tivessem a aparência de t ruminantes, esses animais eram imundos por não terem as unhas fendidas.

Hoje em dia, também agimos de forma semelhante quando falamos com pessoas que não i têm familiaridade com certos aspectos técnicos de alguma coisa. Por exemplo, usamos a linguagem aparente do pôr do sol e do sol nascente, especialmente quando falamos com crianças. Para uma criança, o ciclo diário do sol é como se ele se levantasse e se pusesse a cada dia (veja os comentários de Js. 10.12-14). A descrição não é tecnicamente correta, mas é adequada ao nível de entendimento da criança.

Isso é o que acontece no texto de Levítico 11.5-6. Embora o arganaz e a lebre não sejam animais ruminantes, essa colocação era adequada para aquele tempo, de forma que deixasse bem claro que aqueles dois animais eram considerados imundos.

Fonte: Bíblia de Estudo – Perguntas & Repostas

Divulgação: Eis-me Aqui!

Hotel em Promoção - Caraguatatuba

Eis-me Aqui