Cidadania e Política Últimas Notícias

George Soros financia organizações jesuítas

Hotel em Promoção - Caraguatatuba
Faça Sua Parte - Compartilhe!

Julio Severo

“Nos últimos quatro anos, instituições jesuítas receberam pelo menos US$ 1,7 milhão em contribuições das Fundações da Sociedade Aberta (FSA) que são financiadas pelo plutocrata George Soros,” disse o site católico ChurchMilitant.

Sua reportagem, intitulada “Billionaire Atheist Funnels Cash to Jesuits” (Ateu bilionário canaliza dinheiro para jesuítas), também disse:

Receba Estudos no Celular!

“Ao examinar documentos registrados na internet, é evidente que quem mais recebeu a generosidade de Soros foi a entidade jesuíta Jesuit Worldwide Learning, com sede nos Estados Unidos. Em 2016, essa organização recebeu US$ 890.000, enquanto, em 2018, recebeu outros US$ 410.000. Essa foi a única das três instituições jesuítas a reconhecer as Fundações Soros como ‘parceiras.’”

Ser parceiro de George Soros é uma grande tragédia, porque Soros é um bilionário esquerdista engajado em múltiplas revoluções marxistas ao redor do mundo. Embora suas organizações tenham sido expulsas da Rússia, ele e especialmente seu dinheiro têm sido bem-vindos entre os jesuítas. ChurchMilitant disse,

“Em 2018, o Serviço Jesuíta de Refugiados recebeu US$ 176.452 em apoio aos migrantes da América Latina e da região do Caribe. Por sua vez, o Serviço Jesuíta aos Migrantes (Servicio Jesuita a Migrantes) recebeu US$ 75.000 em 2016 e outros US$ 151.125 em 2018, de acordo com ACI Prensa.”

Não é de admirar que Soros esteja financiando organizações jesuítas católicas que ajudam imigrantes da América Latina. A maioria desses imigrantes é católica, e a América Latina católica é o berço da Teologia da Libertação. De uma forma ou de outra, os católicos latino-americanos apoiam vários itens da Teologia da Libertação. Portanto, importar esses imigrantes é ajudar o socialismo nos Estados Unidos.

Entretanto, ChurchMilitant parece estar surpreso que organizações católicas estejam ajudando Soros e o socialismo. Não deveria haver surpresa. O Brasil, a maior nação católica do mundo, tem uma presença enorme da Teologia da Libertação na Igreja Católica.

Além disso, o apoio católico às ideias marxistas não é novidade e tem sido uma realidade desde o final do século XIX.

O papa atual, Francisco, é um defensor de ideias socialistas. Embora eu apoie as posturas pró-vida de Francisco, suas posturas contra os cristãos conservadores que lutam contra o ativismo gay são horríveis. Mas até mesmo os direitistas “católicos” que querem derrubar o papa por causa do socialismo têm posturas suspeitas sobre a homossexualidade.

Enquanto o papa esquerdista parece apreciar homossexuais esquerdistas, católicos direitistas suspeitos parecem apreciar homossexuais direitistas, não percebendo que ambas as posturas estão erradas porque, independentemente de suas preferências ideológicas políticas, qualquer indivíduo que pratique ou defenda a homossexualidade é desqualificado pelos padrões cristãos.

A questão homossexual tem deixado católicos esquerdistas e católicos direitistas em estado de confusão.

O papa esquerdista é um jesuíta que trabalha contra o capitalismo. Mas essa não é a primeira vez que os jesuítas trabalham contra o capitalismo.

No início do século XVII, protestantes holandeses colonizaram o Nordeste do Brasil, onde formaram a primeira sociedade com tolerância religiosa no Brasil. Sob seu governo, os judeus construíram a primeira sinagoga do continente americano. Os protestantes holandeses construíram o que o Brasil não tinha: enormes teatros, pontes e muitos outros edifícios que, depois de quatro séculos, permanecem hoje.

O Nordeste brasileiro, tradicionalmente pobre, nunca teve prédios tão belos e imponentes. Sob o domínio holandês, essa foi também a primeira sociedade capitalista no Brasil.

Na colônia holandesa, judeus e protestantes eram protegidos da Inquisição, que atuava em outras partes do Brasil, perseguindo, torturando e matando judeus.

No entanto, os jesuítas envenenaram a mente dos católicos portugueses em todo o Brasil, retratando os colonos protestantes holandeses como perigosos “hereges” que deveriam ser destruídos. Depois de várias batalhas, os jesuítas venceram e os holandeses tiveram de deixar o Brasil. Como os judeus seriam perseguidos pela Inquisição se permanecessem no Nordeste do Brasil, optaram por seguir os holandeses e se mudaram para Nova Iorque, que pertencia aos holandeses na época.

O primeiro sistema bancário em Nova Iorque foi estabelecido por esses judeus brasileiros sob a proteção de capitalistas protestantes holandeses.

Assim, os jesuítas expulsaram os protestantes holandeses, os judeus e o capitalismo holandês e seu progresso. E o rótulo de “herege” era tão forte contra os protestantes capitalistas holandeses que alguns livros escolares brasileiros da década de 1970 ainda registravam os holandeses como invasores hereges.

Por causa dos judeus e dos capitalistas protestantes holandeses no Nordeste, o Brasil poderia ter se tornado uma potência capitalista, mas os jesuítas “salvaram” o Brasil desse destino capitalista e, em vez disso, deixaram Nova Iorque ocupar o posto de potência capitalista.

Então, o Brasil, instigado pelos jesuítas, tem em sua história a horrível mancha de rejeitar e lutar contra o capitalismo.

Se os jesuítas há quatro séculos perseguiam os capitalistas, por que os católicos hoje se surpreendem com o fato de os jesuítas serem parceiros de Soros?

Não é surpresa também que os jesuítas tenham um histórico de perseguição aos protestantes, que são historicamente mais capitalistas. A Enciclopédia Católica de Charles G. Herbermann (edição de 1914) diz:

“Como o objetivo da sociedade [dos jesuítas] era a propagação e o fortalecimento da religião católica em todos os lugares, os jesuítas naturalmente se empenharam em neutralizar a expansão do protestantismo. Eles se tornaram os principais instrumentos da Contra-Reforma.”

A Contra-Reforma Protestante teve muito sucesso no Brasil, onde os jesuítas destruíram a presença de protestantes capitalistas holandeses e judeus e estabeleceram novamente a Inquisição e a intolerância religiosa total para proteger seu não progresso não capitalista católico.

O que os jesuítas estão fazendo hoje que é diferente do que os jesuítas fizeram no passado? Os mesmos jesuítas que foram agitadores anticapitalistas no passado continuam fieis à sua antiga missão. O espírito anti-capitalista tradicional dos jesuítas naturalmente levou ao apoio dos jesuítas ao socialismo. Nesse sentido, o Papa Francisco não tem culpa de ser um papa socialista que ataca o capitalismo. Afinal, ele é um jesuíta.

Portanto, se no passado os jesuítas perseguiam e expulsavam capitalistas e hoje estão ajudando George Soros e outros socialistas, por que deveria qualquer cristão conservador ficar chocado?

Fonte: www.juliosevero.com

Divulgação: Eis-me Aqui!

Hotel em Promoção - Caraguatatuba