Cidadania e Política Morte Últimas Notícias

Brasil se abstém de condenar Irã em votação de direitos humanos na ONU

Brasil se abstém de condenar Irã em votação de direitos humanos na ONU
Hotel em Promoção - Caraguatatuba

“Brasil reconhece os esforços [do Irã] para promover reformas incrementais.”, justifica embaixadora.

Faça Sua Parte - Compartilhe!

Durante a votação recente de uma resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU que condena as violações de direitos humanos no Irã, a postura do governo brasileiro foi a de se abster.

Em 2015, por decisão do governo de Dilma Rousseff, o Brasil também se absteve em votação de resolução idêntica na ONU. Na ocasião, a postura foi duramente criticada pelo senador Aloysio Nunes, que hoje é o chanceler brasileiro.

O Itamaraty não quis se pronunciar sobre os motivos de Aloysio adotar a mesma política que criticava no passado. Como estava à frente do Comitê de Relações Exteriores do Senado dois anos atrás, Aloysio convocou o então chanceler Mauro Vieira para dar explicações, em uma audiência pública, por que o Brasil não condenou as violações aos direitos humanos reconhecidamente praticadas pelo Irã.

Receba Estudos no Celular!

Segundo a ONU, pelo menos 530 pessoas foram executadas pelo governo iraniano no ano passado. A maioria delas por crimes relacionados a drogas. Pelas leis islâmicas em vigência no país, a pena de morte é aplicável para quem pratica a homossexualidade.

Outro aspecto que chama atenção no relatório do Conselho é a “fatwa” (decisão baseada na lei islâmica) que proíbe mulheres de andar de bicicleta em público. Em setembro, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, anunciou que isso “Atrai a atenção de homens e expõe a sociedade à corrupção, e, dessa maneira, vai contra a castidade das mulheres”.

A decisão da ONU este ano foi de renovar o mandato da relatora Asma Jilani Jahangir, que seria uma enviada especial para monitorar a situação no Irã, mas ela ainda não recebeu permissão oficial para fazê-lo.

Apesar da abstinência do Brasil e de mais 12 nações, a resolução do Conselho de Direitos Humanos foi aprovada com 22 votos a favor e 12 contrários. O porta-voz da chancelaria iraniana, Bahram Ghasemi, fez críticas à adoção da resolução da ONU, classificando-a de “seletiva e rancorosa” e que foi por “motivações políticas”.

A justificativa apresentada pela embaixadora Maria Nazareth Farani Azevêdo, representante do Brasil na ONU em Genebra, foi que “Apesar das preocupações legítimas a respeito da situação dos direitos humanos no país, o Brasil reconhece os esforços [do Irã] para promover reformas incrementais.”

A embaixadora também disse que encoraja “o governo do Irã a manter e aprofundar o diálogo com a senhora Jahandir”.

Segundo a coordenadora de política externa da ONG Conectas, Camila Asano, “O posicionamento do Brasil é contraditório: o governo brasileiro diz reconhecer a importância da relatoria e pede para que o Irã siga dialogando, mas não vota a favor da resolução que estende o mandato da relatora”.

A postura do Brasil na política externa desde que Michel Temer assumiu é marcada por mudanças. Apesar de ter ficado ao lado de Israel logo que assumiu interinamente a presidências, em junho nas últimas votações do ano passado, seguiu as decisões de China, Cuba e Arábia Saudita, totalizando 10 resoluções contra Israel.

Isso inclui o não reconhecimento do Muro das Lamentações como um local judaico e, alinhando-se às nações islâmicas, considerar Jerusalém “território palestino ocupado”. Com informações de Folha

Fonte: Gospel Prime

Hotel em Promoção - Caraguatatuba

Eis-me Aqui