Estudos Bíblicos Estudos da Semana Teologia Sob Medida

Estudo bíblico sobre disciplina na igreja: o que Cristo faria?

Estudo bíblico sobre disciplina na igreja: o que Cristo faria?
Hotel em Promoção - Caraguatatuba

É certo deixar um membro da igreja no banco, de disciplina?

Faça Sua Parte - Compartilhe!

Neste estudo bíblico sobre disciplina na igreja não quero falar dos tipos de disciplina que são aplicadas por aí à fora, mas quero mostrar que a forma com que se fazem certas disciplinas são problemáticas.

Eu considero certas formas como vários pastores exercem essa tal disciplina na igreja algo um tanto grave, e que está praticamente destruindo a vida espiritual de muitos irmãos, afastando-os da fé e da caminhada com Deus, e até alimentado raiz de amargura em seus corações.

Uma certa vez um irmão em Cristo, conhecido meu, foi colocado em disciplina na igreja por ter cometido determinado pecado;
como ele tinha intimidade comigo, conversamos um pouco sobre o assunto e ele se queixou de que, depois que foi colocado em disciplina na igreja, a maioria dos irmãos começaram a tratá-lo com indiferençaapatia e desprezo; até mesmo alguns que se comunicavam com ele normalmente, já não falavam com ele com naturalidade…

Receba Estudos no Celular!

Isto é realmente muito chato, porque quando cometemos um pecado contra Deus, Ele nos trata da seguinte maneira: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” (1João 1:9 KJF – ver também Sl 32:5Pv 28:13)

Ora, se o Senhor assim nos trata, perdoando-nos mediante nosso arrependimentoconfissão e consequente abandono do pecado, e nos restaura, devemos nós fazer o mesmo com nossos irmãos que pecaram também, restaurando-os para o Senhor!

“Irmãos, se algum homem for surpreendido em uma falta, vós, que sois espirituais, restaurai o irmão no espírito de mansidão, considereis a vós mesmos para que também não sejais tentados.
Suportais os fardos uns dos outros para que a lei de Cristo seja cumprida.”
(Gl 6:1,2 KJF)

A recomendação que foi nos entregue na Palavra é orarmos pelo irmão em Cristo e restaurá-lo para Ele! (Leia Tiago 5:16,19-20)

Por isso, um pastor verdadeiro preocupa-se com os que estão fracos na fé e os ajuda, vai em busca da ovelha perdida, como o próprio Senhor fez conosco e nos ensinou em Mateus 18: 12-14.

Veja também como o próprio Deus fez para com suas ovelhas, na pessoa de nosso Senhor Jesus, e todos os pastores podem aplicar isso à vida pastoral também (assim como um irmão em Cristo para com outro):

Porque assim diz o Senhor Deus: Eis que eu, eu mesmo, procurarei pelas minhas ovelhas, e as buscarei.
Como o pastor busca o seu rebanho, no dia em que ele está entre suas ovelhas que estão espalhadas; assim eu buscarei as minhas ovelhas, e as livrarei de todos os lugares onde elas estiveram espalhadas no dia nublado e escuro.

Eu buscarei aquela que estava perdida, e trarei novamente aquela que estava desgarrada, e ligarei a que estava quebrada, e fortalecerei a que estava enfermo; mas eu destruirei a gorda e a forte; alimentá-las-ei com juízo.
(Ez 34: 11-12,16 KJF)

Quando Deus nos disciplina, é para o nosso bem, para que não venhamos a ficar perdidos no pecado e no mundo para sempre! Leia Hebreus 12: 5-11.

O apóstolo Paulo aplicava a disciplina na igreja?

Algumas pessoas consideram que, na passagem de 1 Coríntios 5:1-13, o apóstolo Paulo estaria não só colocando um certo rapaz em disciplina na igreja, mas o estaria expulsando do “hall de membros” e da comunidade cristã.

Seria dura esta atitude que teve o apóstolo Paulo?

Eu afirmo que neste caso não!

Sabemos que todos nós somos pessoas sujeitas a falhas e quedas as vezes (1Jo 1:8), mas o caso que o apóstolo Paulo lidou em 1 Coríntios 5, tratava-se de uma pessoa “sem vergonha“, que vivia na prática do pecado, sabia disso, mas tratava isso como algo mais comum; e podemos até concluir, pelo contexto, que ele gostava do que fazia.

Este rapaz muito provavelmente achava que tinha até algum crédito no que fazia, se vangloriando disso; andava conforme o apóstolo João descreveu abaixo:

Se nós dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade.
(1 João 1:6 KJF)

Note a relação do versículo acima com o que Paulo fala sobre o moço em 1 Coríntios 5:11: “Mas, agora, escrevi que não vos manteis na companhia de qualquer homem que chamado de irmãoseja um fornicador, ou avarento, ou idolatra, ou caluniador, ou beberrão, ou extorquidor; com o tal nem ainda comais.”

Portanto ele era um falso crente!

Devemos entender que uma coisa é uma pessoa cometer um pecado como um “acidente de percurso”; todos nós estamos sujeitos a errar as vezes, seguindo-se disso nosso arrependimento, assim como a ajuda de outros irmãos a nos levantarmos de novo (Mt 18: 15,32-33Cl 3:12-13).

Outra coisa é a pessoa viver na prática do pecado sem se envergonhar ou arrepender-se, e às vezes até tirar crédito disso:

“Pô, to pegando a mulher do meu pai cara, ela me dá mole eu tô passando o rodo!” 😈

(Não estou dizendo que o rapaz citado em 1 Coríntios 5:1 dizia isso, mas é como eu, particularmente, imagino a situação).

A importância da disciplina na igreja, e para que esta serve realmente.

Concluímos com tudo isto que não é certo colocar um irmão em uma dura disciplina na igreja e simplesmente abandoná-lo, esperando que se conserte por si mesmo, não dando a ele as devidas instruções e orando com o tal, a ver se este realmente se arrepende e quer voltar a caminhar na santidade do Senhor e na vida cristã.

Pelo contrário, veja como o apóstolo Tiago descreve que deve ser nosso comportamento para com aqueles irmãos que tem se desviado da verdade:

Irmãos, se algum dentre vós se tem desviado da verdade, e alguém o converter, saiba ele que, aquele que converte um pecador do erro do seu caminho, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados.
(Tiago 5:19-20 KJF)

Todas as nossas ações devem cooperar para o bem e a edificação de uns para com os outros, e devemos sim restaurar o irmão perdido, e não simplesmente abandoná-lo à disciplina na igreja, tratando-o com desprezo.

O fruto do justo é árvore da vida, e o que ganha almas é sábio. (Provérbios 11:30 KJF)

O fruto do justo são as suas ações, que devem ser uma árvore de vida, e não um empurrão ao fundo do poço.

Obs.: versículo aplicado para todos os irmãos da igreja, e não somente para o pastor, que se trabalhar sozinho dificilmente obterá sucesso.

Devemos então orientar os errantes e instruí-los conforme a misericórdia de Deus e as palavras de Cristo, a fim de que se restaure para o Senhor e continue na caminhada o quanto antes!

Lembremo-nos de como o Senhor teve misericórdia daquela mulher flagrada no adultério (Jo 8:1-11), e não a condenou, mas antes restaurou-a!

Como também foi misericordioso com o homem enfermo junto ao tanque Betesda, que estava 38 anos doente por causa de algum pecado que cometera (Jo 5: 2,5,8-9,13-14).

Nem sempre é fácil agir assim, porque nossa primeira atitude ao ver um irmão pecar é fazer comentários negativos com outras pessoas sobre a conduta deste, infelizmente;
e as vezes fazemos isto com tanta naturalidade que nem conseguimos perceber o mal que acrescentamos a tal irmão, e nem qual a atitude correta que deveríamos ter.

Mas conseguiremos ser mais piedosos se nos colocarmos no lugar de tal irmão, e imaginarmos o que gostaríamos que os outros fizessem conosco se fôssemos surpreendidos na mesma situação (Lc 6: 31,36).

Se quiser aprender mais sobre o pecado de um irmão, leia o estudo 4 coisas que você pode fazer quando seu irmão cair em pecado.

Tenho-vos mostrado todas as coisas, que trabalhando assim, é necessário apoiar os fracos e lembrar as palavras do Senhor Jesus, que disse: É mais bem-aventurado dar do que receber.
(Atos 20:35 KJF)

Fonte: Bíblia Ensina

Postagem Original: https://bibliaseensina.com.br/estudo-biblico-disciplina-na-igreja/

Divulgação: Eis-me Aqui!

Hotel em Promoção - Caraguatatuba
Right Menu Icon
%d blogueiros gostam disto: