Cristã que teve o filho fuzilado pelo Estado Islâmico ora por terroristas

Cristã que teve o filho fuzilado pelo Estado Islâmico ora por terroristas
Hotel em Promoção - Caraguatatuba

Nadia disse que a certeza de que seu filho fez a coisa certa ao não negar sua fé em Jesus e de que um dia irá reencontrá-lo tem sido seu consolo.

Faça Sua Parte - Compartilhe!

Uma mãe cristã de seis filhos que sobreviveu a um ataque de terroristas do Estado Islâmico, enquanto sua família estava viajando para um mosteiro na região Minya do Egito no ano passado, mas perdeu seu genro, que se recusou a negar sua fé, diz que ora para que os terroristas atacantes “sejam tocados por Deus”.

“Não estávamos nem um pouco preocupados com nossa segurança”, disse a mãe, Nadia, em entrevista ao Ministério Portas Abertas em sua casa na cidade rural de Buni Suef, lembrando o assassinato de 28 cristãos egípcios, que foram fuzilados por causa de sua fé cristã. eles estavam a bordo de um ônibus, rumo a um mosteiro em Minya, para celebrar a Festa da Ascensão em 26 de maio de 2017.

Os homens do Estado Islâmico – também conhecido como IS, ISIS, ISIL ou Daesh – estavam em trajes militares, em pé na estrada. Os terroristas mascarados atiraram nas rodas do ônibus, e primeiro foram até Sameh, o genro de Nadia, que estava sentado à frente, e pediram que ele se convertesse ao islamismo, segundo ela contou.

Receba Estudos no Celular!

Ele se recusou e foi fuzilado. Os homens do Estado Islâmico então foram até o filho dela, Hany. Nadia ouviu-o dizer: “Não, eu sou cristão” e um tiro, que também acabou matando o rapaz.

“Talvez você pense que eu preferiria ter visto meu filho fazer uma escolha diferente”, diz ela. “E, claro, como mãe, estou terrivelmente triste e zangada. Mas estou feliz por ter testemunhado a fé em que o criei. Sou grato por ele não negar a Cristo mesmo com sua vida em perigo. Ele fez a escolha certa, e isso tem sido um enorme conforto para mim”.

Depois de matar todos os homens no ônibus, os terroristas se voltaram para as mulheres e crianças. Eles pegaram o neto de 3 anos de Nadia, Mina, e disseram que também o matariam se as meninas no ônibus não fossem com eles.

No entanto, eles se distraíram com uma caminhonete e partiram para atacar um pai que viajava para o mosteiro com seus dois filhos. “Ainda agradeço a Deus que Ele impediu que as meninas fossem levadas”, diz Nadia. “Os homens teriam abusado terrivelmente delas”.

Nadia recebeu uma lesão crítica no braço causada por um tiroteio aleatório e não pode mais usá-lo. Mas a fé dela continua forte.

Ela diz que se não fosse pelo “conforto de Deus”, ela “teria enlouquecido”. Ela diz que é consolada pela garantia de que Hany está no céu e que ela voltaria a vê-lo, bem como seu genro.

E ela decidiu não alimentar o rancor contra o Estado Islâmico.

“Se eu encontrasse os agressores do meu filho e eles me matassem por causa da minha fé, eu ficaria feliz”, acrescenta ela. “Então eu me juntaria ao meu filho no céu”.

E se tivesse a chance, ela diria aos assassinos de seu filho: “Eu oro para que eles sejam tocados por Deus, para que eles mudem seus caminhos”.

O Egito tem cerca de 10 milhões de cristãos, principalmente coptas.

Um braço do Estado Islâmico no norte do Sinai iniciou uma insurgência após a saída militar de Mohamed Morsi, da Irmandade Muçulmana, em 2013. Mais de 100 cristãos foram mortos em ataques de grupos islâmicos inspirados pelo grupo terrorista desde dezembro de 2016.

No Domingo de Ramos deste ano, dois atentados suicidas mataram 47 pessoas e feriram outras 126 em igrejas em Tanta e Alexandria.

Anteriormente, o Estado Islâmico divulgou um vídeo das decapitações de 2015 de 21 cristãos egípcios na Líbia, intitulado “Uma mensagem assinada com sangue para a nação da cruz”. Apesar das terríveis ações dos jihadistas, a comunidade copta minoritária no Egito foi encorajada pelo exemplo dos 21 homens no vídeo, que se recusaram a negar a Cristo.

De acordo com a Lista de Observação Mundial da Portas Abertas EUA de 2017, o Egito está na posição 21, entre os piores países do mundo no que diz respeito à perseguição contra os cristãos. Além disso, a Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos, encarregada pelo Congresso, recomendou que o Departamento de Estado dos EUA listasse o Egito como um país de “Nível 2”, uma designação que identifica países onde as violações da liberdade religiosa são toleradas.

Fonte: Guia-me

Postagem Original: https://guiame.com.br/gospel/missoes-acao-social/crista-que-teve-o-filho-fuzilado-pelo-estado-islamico-ora-por-terroristas.html

Divulgação: Eis-me Aqui!

Hotel em Promoção - Caraguatatuba
Right Menu Icon