Cidadania e Política Igreja Perseguida Últimas Notícias

“A crença em Deus é o que o Partido Comunista mais odeia”, diz oficial chinês

"A crença em Deus é o que o Partido Comunista mais odeia", diz oficial chinês
Hotel em Promoção - Caraguatatuba

Em um relato, a cristã Jian Yongjiu conta o que ouviu de oficiais comunistas, enquanto ficou detida em uma “escola legal de doutrinação”.

Faça Sua Parte - Compartilhe!

Uma cristã chinesa revelou o abuso mental que sofreu em um “campo de doutrinação” chinês, incluindo a descrição de como a polícia também a privou do sono, depois que ela se recusou a blasfemar contra o nome de Jesus Cristo.

Jian Yongjiu, que congrega na Igreja do Deus Todo Poderoso, disse à revista ‘Bitter Winter’ que, depois de ser presa por “organizar e usar uma organização para minar a aplicação da lei estatal”, foi enviada a um “centro legal de doutrinação” na cidade de Hangzhou, província costeira oriental de Zhejiang, na China.

Ela disse à revista que, apesar de não ter sofrido danos físicos, ela sofreu uma “tortura mental” por parte dos oficiais, que tentavam destruir sua mente e espírito.

Receba Estudos no Celular!

“Para uma pessoa de fé, ser submetida à doutrinação obrigatória, não só causa angústia mental, mas mais ainda, a alma está sujeita à repressão e agonia insuportáveis”, disse ela.

Jian descreveu as condições de prisão, completas com vigilância 24 horas por dia, 7 dias por semana e quartos pequenos, com cadeados, com pouco mais que uma claraboia para pouca entrada de luz do sol. Guardas escoltavam-na para todo lugar que ela ia, e dois “tutores”, especialmente treinados para ajudar os detidos a passar por “transformação ideológica”, dormiam ao seu lado todas as noites. Uma câmera de vigilância foi apontada diretamente para a cama de Jian para observar qualquer tentativa de orar secretamente.

Durante o dia, Jian era obrigada a assistir várias horas de aulas de doutrinação, onde foi forçada a ver vídeos de propaganda do Partido Comunista Chinês, estudar os ensinamentos do presidente chinês Xi Jinping e cantar canções agradecendo ao Partido. Depois de vários dias, ela recebeu vídeos criticando o cristianismo e foi ordenada que completasse o “dever de casa”, o que exigia que ela escrevesse palavras blasfemando contra Deus.

“Todos os dias, eu era forçada a assistir ao conteúdo que condenava e caluniava contra minha fé, mas não era permitido refutá-lo”, disse ela, acrescentando que aquela atividade era como “entrar em um campo de batalha”.

Falsa liberdade religiosa

Certa vez, os oficiais disseram a Jian para escrever claramente palavras blasfemas sobre Deus. Ela se recusou a fazê-lo e perguntou: “A constituição nacional prevê expressamente a liberdade de crença dos cidadãos. Por que vocês atormentam e perseguem os cristãos?”.

Um dos oficiais respondeu: “Para quem há liberdade de crença? Você nasceu na China, então você tem que obedecer o Partido Comunista. A crença em Deus é o que o Partido Comunista mais odeia. Se você quer liberdade, [você não vai conseguir] a menos que você vá para o exterior”.

Depois de estar no acampamento por cinco dias, Jian não havia desistido de sua fé, então ela foi forçada a escrever uma declaração de “garantia, arrependimento, separação e crítica”, o que significaria renunciar à sua fé.

Quando ela se recusou, os dois “professores” se revezaram, monitorando Jian e não permitiram que ela dormisse.

“Se eu não fosse guiada pela palavra de Deus, teria ficado louca. O Partido Comunista Chinês é mau”, disse ela.

Apesar de ter sido libertada, Jian continua a ser assediada e ameaçada pela polícia e é constantemente monitorizada por uma mulher com uma braçadeira vermelha de “serviço especial”.

Legalizada em 2018 e muitas vezes localizada em hotéis estatais, casas de repouso e hospitais psiquiátricos, foram transformados nesses “centros legais de educação” para permitir que os governos locais doutrinem pessoas, influenciadas pelo o que eles chamam de “extremismo” (religiões).

No entanto, com uma estimativa de um milhão e meio de reclusos – muitos deles uigures de maioria muçulmana – estes centros tornaram-se um meio para o Partido Comunista Chinês combater as crenças religiosas e reprimir os grupos étnicos minoritários.

Embora apresentados como instalações “educacionais”, os presos são rotineiramente submetidos a um “regime desumano de trabalho e doutrinação e a uma forte pressão para renunciar à sua f[e, com casos de tortura e mortes suspeitas frequentemente relatadas”, segundo Bitter Winter.

À luz desses abusos, o grupo de vigilância da Portas Abertas (EUA) classificou a China posição de número 27 em sua lista de países onde os cristãos enfrentam a mais severa perseguição por sua fé, marcando um salto de 16 pontos em relação ao ranking anterior.

A Portas Abertas alertou em seu relatório que “o aumento do poder do governo e do governo de Xi Jinping continua a dificultar o culto aberto em algumas partes do país”.

Fonte: Guia-me

Hotel em Promoção - Caraguatatuba