Islamismo Últimas Notícias

Evangelista cria ONG e alcança mais de 2.500 refugiados iraquianos, na Jordânia

Evangelista cria ONG e alcança mais de 2.500 refugiados iraquianos, na Jordânia
Hotel em Promoção - Caraguatatuba

Maran fundou a ONG Al-Hadaf para ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade.

Faça Sua Parte - Compartilhe!

Maran tem uma carreira de sucesso na Jordânia. Como engenheira bem-sucedida, ela se desdobrava entre sua profissão e os três filhos. Mas, algo lhe chamou atenção quando os refugiados do Iraque começaram a chegar em Amã (capital). A forma como esse povo era tratado a deixou em estado de choque.

Os refugiados recebiam comida vencida e para poder conseguir novas roupas precisavam vasculhar uma grande pilha de itens usados que as pessoas deixavam no chão. Ela conta: “Eu fui visitá-los e vi como eles eram tratados. Eu não gostei do que vi, então tinha duas opções: chorar ou fazer alguma coisa. Então eu escolhi fazer alguma coisa”.

Então, há três anos ela fundou a ONG Al-Hadaf (O propósito), com o suporte da Organização Portas Abertas. Sua missão era de ajudar as pessoas em situação de vulnerabilidade. “Minha meta é restaurar a dignidade desses refugiados e tratá-los como eu gostaria de ser tratada, como eu gostaria que meus filhos fossem tratados”, ressalta ela.

Receba Estudos no Celular!

Mas, ela sabia que sozinha não iria tão longe. Por isso, contou com a ajuda de voluntários de igrejas da Jordânia. Hoje a ONG oferece uma loja de roupas de segunda mão, uma sala para aconselhamento pós-trauma e uma sala de arteterapia para crianças. Por meio desse trabalho e também de clínicas médicas, a Al-Hadaf já alcançou quase 2.500 iraquianos. Isso só em 2016.

Fica evidente a importância do trabalho voluntário para o resgate de vidas. Devemos agir unidos, a favor das pessoas mais vulneráveis da sociedade. Para se ter uma ideia, a ONU inclui a solidariedade como um dos valores fundamentais que devem permear as relações internacionais no século XXI. Vidas podem ser transformadas por meio de gestos solidários.

Um exemplo disso é o da professora iraquiana Anahed. Em 2006, extremistas islâmicos sequestraram seu esposo. “Eles vieram à nossa casa e disseram que pelo fato de meu marido ser cristão, eu tinha que pagar um resgate. Nós pagamos, mas eles nunca o trouxeram de volta”.

Anahed passou cerca de 10 anos esperando pela volta do esposo, mas a situação em Bagdá só piorava. Foi quando ela resolveu fugir para a Jordânia com seus filhos. “Deixar meu país e me tornar uma refugiada foi doloroso, mas aqui na Al-Hadaf eu encontrei um porto seguro. As pessoas são tão amáveis. Através das palavras e cuidados, elas trouxeram o sorriso de volta ao meu rosto”.

Fonte: guiame

Divulgação: Eis-me Aqui!

Hotel em Promoção - Caraguatatuba