Cidadania e Política Homossexualismo Últimas Notícias

Serviço de Saúde da Escócia treina funcionários para não identificar gênero de pacientes

Serviço de Saúde da Escócia treina funcionários para não identificar gênero de pacientes
Hotel em Promoção - Caraguatatuba

A alegação é de que usar “ele” ou “ela” poderia ofender pacientes e pessoas transgêneras.

Faça Sua Parte - Compartilhe!

A equipe do Serviço Nacional de Saúde Escócia, o NHS Lothian, na Escócia, foi instruída a se referir aos pacientes de forma genérica, como “eles”. Segundo a direção, o termo será usado para evitar ofender as pessoas transexuais. Os gerentes da instituição receberam treinamento para mostrar como a linguagem “neutra de gênero” pode se tornar uma norma no serviço de saúde.

Os cursos para a nova forma de tratamento têm como público-alvo os funcionários de todos os escalões e são ministrados em parceria entre a Scottish Trans Alliance e a LGBT Health and Wellbeing.

Um folheto entregue à equipe informa diz: “Não presuma que você sabe quais pronomes e títulos as pessoas preferem – pergunte o que eles preferem”.

Receba Estudos no Celular!

Segundo informações do The Times, os funcionários estão sendo encorajados a usar a linguagem neutra de gênero não só no local de trabalho, mas também em casa, em suas vidas pessoais.

Um alto funcionário do NHS Lothian, que participou de uma “aula” com duração de uma hora em dezembro do ano passado, falou ao The Times dizendo: “Eles estavam nos dizendo para nos referirmos uns aos outros usando o termo “eles”.

A justificativa dos palestrantes é que “se começássemos a usar ‘eles’ em nossas vidas pessoais, seria natural entrarmos no local de trabalho para nos referir a todos usando o pronome ‘eles’, e não ‘ele’ ou ‘ela’”, disse.

No curso, um diretor da instituição levantou questões com o palestrante dizendo que estava preocupado se aquilo não iria ofender os pacientes mais velhos.

“Eles podem sentir que sua dignidade foi comprometida, o que vai contra nossos valores centrais de segurança, dignidade e respeito”, questionou sem obter resposta.

Implicações

Enquanto isso, uma pesquisa revelou que permitir que médicos do sexo masculino que se identifiquem como mulheres podem impedir que mulheres acessem cuidados médicos com esses profissionais.

O The Times informou que a pesquisa foi feita com 2.000 mulheres, conduzida pelo grupo de mulheres e meninas na Escócia, revelou que as mulheres vulneráveis ​​se sentiam assustadas e inseguras sobre as implicações da política.

O resultado indicou que as mulheres são dissuadidas de visitar ginecologistas, ou cancelam consultas para testes e exames de câncer do colo do útero, se não puderem ser vistas por uma mulher.

Uma mulher disse: “Já perdi três testes porque tenho tanto medo de ser apresentado a um enfermeiro”.

Outra disse: “Se a definição deles de feminina e de minha muda, isso significa que é improvável que eu tenha acesso a atendimento médico”.

O NHS Lothian alegou que, devido a termos legais dentro da Lei de Reconhecimento de Gênero de 2004 e da Lei de Igualdade de 2010, eles seriam incapazes de garantir que cuidados exclusivamente femininos não seriam realizados por um médico transgênero.

Fonte: Guia-me

Hotel em Promoção - Caraguatatuba