Cidadania e Política Últimas Notícias

Liberação de maconha para uso pessoal deve ser julgada em junho de 2019

Liberação de maconha para uso pessoal deve ser julgada em junho de 2019
Hotel em Promoção - Caraguatatuba

STF deve decidir se porte e uso recreativo deixarão de ser crimes no Brasil.

Faça Sua Parte - Compartilhe!

Um dos temas mais polêmicos na agenda política nacional, a liberação da maconha para o porte e uso recreativo da droga deve entrar em votação em junho de 2019. A pauta foi liberada pelo ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

Suspenso de 2015, o tema volta ao plenário do Supremo já com três votos favoráveis. Composto por 11 ministros, faltam sete votos para o resultado se a descriminalização entrará ou não em vigor no Brasil. A liberação foi defendida pelos ministros Gilmar Mendes, Edson Fachin e Luís Roberto Barroso. Estes dois últimos defenderam a liberação apenas para o porte de maconha.

O tema deve fomentar debates não só no Judiciário, mas nos demais poderes onde se misturam críticos e apoiadores da pauta em questão.

Receba Estudos no Celular!

Próximo presidente, Jair Bolsonaro declarou em diversas entrevistas ser contrário à liberação da maconha. “Vamos perguntar a qualquer pai se ele é favorável à liberalização das drogas. Eu acho que 99% são contra, até porque ela [a droga] vai chegar às escolas”.

A nova legislatura que se inicia em janeiro terá uma Câmara Federal mais conservadora, o tema também será objeto de embates fervorosos. Grande parte dos parlamentares integrantes das futuras bancadas evangélica e da segurança têm opiniões contrárias à liberação da maconha.

Família

Composta por deputados e senadores, a Frente Parlamentar Evangélica já se manifestou contrária à liberação e descriminalização da maconha por meio de diversos documentos. A especial resistência ao tema pelos parlamentares evangélicos está na bandeira comum de defesa da família.

O deputado federal Marco Feliciano, de São Paulo, que já declarou ter feito uso de cocaína quando adolescente, é contra a liberação. Em uma de suas declarações sobre o tema disse que “pessoa que apoia legalização das drogas tem transtorno mental e merece tratamento de choque”.

Outra resistência vem do deputado federal Sóstenes Cavalcanti, do Rio de Janeiro, que declarou que a droga “destrói a dignidade, o caráter e a família”. O parlamentar chama de “desculpas esfarrapadas” os argumentos favoráveis dos ministros do STF.

“[Eles] dizem que é preciso respeitar as liberdades individuais. Eles afirmam que a criminalização da posse de drogas para consumo pessoal afeta o direito do livre desenvolvimento de personalidade em suas diversas manifestações. Ora, quando uma decisão individual afeta toda a coletividade, o problema passa a ser de todos, principalmente do Estado.”

Fonte: Guiame.com.br

Postagem Original: https://guiame.com.br/gospel/noticias/liberacao-de-maconha-para-uso-pessoal-deve-ser-julgada-em-junho-de-2019.html

Divulgação: Eis-me Aqui!

Hotel em Promoção - Caraguatatuba