Cidadania e Política Últimas Notícias

Evangelismo de pastores do Sri Lanka une etnias inimigas pela fé em Jesus

Evangelismo de pastores do Sri Lanka une etnias inimigas pela fé em Jesus
Hotel em Promoção - Caraguatatuba

Igreja nasceu com visão missionária de evangelizar apenas a etnia tâmeis, mas plano de Deus os fez alcançar os inimigos cingaleses.

Faça Sua Parte - Compartilhe!

Quase três décadas de guerra civil no Sri Lanka criaram um enorme abismo entre cingaleses e tâmeis, dois grupos étnicos que se tornaram inimigos. A guerra separatista, que começou no início dos anos 80, forçou muitos tâmeis e cingaleses a saírem do país.

Tendo como destino o Reino Unido, os dois grupos foram crescendo e se estabelecendo em Londres. Em 1994, o reverendo TMI Sathiyaraj foi chamado para trabalhar como missionário entre a etnia tâmeis. Mas Deus tinha um plano maior, que era unir duas etnias inimigas: tâmeis e cingalês.

“Ainda me lembro dos humildes começos, de como meu marido junto com Jonathan Eden e Christina Balasingham batiam nas portas das casas das pessoas em Southall para compartilhar o evangelho”, conta a esposa do reverendo, Chrishanthy Sathiyaraj.

Receba Estudos no Celular!

Deste trabalho missionário nasceu a Southall Tamil Church (STC). “Mas Deus tinha um plano maior”, diz Chrishanthy.

O evangelismo levou uma pessoa cingalesa a aceitar Jesus como seu salvador, que passou a frequentar a igreja. Esse fato foi muito marcante, pois havia uma disputa étnica entre os dois grupos (tâmil e cingalês) que levou à guerra civil no Sri Lanka.

Chrishanthy conta que para atender às necessidades de ambos os grupos, precisaram estabelecer cultos bilíngues em Tamil e Sinhala. “O STC foi a primeira igreja tamil-cingalesa da Europa”, revela.

Desafios

Esta construção de convivência entre os dois grupos foi gradual e não foi isenta de desafios. Quando houve um determinado confronto entre as comunidades no Sri Lanka, isso se refletiu na igreja. Os membros da congregação tinham ideias diferentes e exigiam dois serviços diferentes. As pessoas saíram da igreja.

Igreja Bethany em Londres em momento de adoração. (Foto: Divulgação/Bethany)

“Meu marido e eu somos de etnia tâmeis, servindo a nova comunidade cristã cingalesa, recebemos ameaças de morte de ambas as comunidades”, conta Chrishanthy. “Tornou-se difícil para nós compartilhar o evangelho, porque ainda havia muitas pessoas que não gostavam de ver as duas comunidades reunidas em uma sala”, explica.

A maioria dos fieis eram cristãos novos, o que significava muito trabalho para o casal de pastores para ensiná-los sobre a nova vida em Cristo. “Até hoje louvamos a Deus por sua obra maravilhosa. Esses grupos lutaram [entre si], mas o amor de Jesus fez um caminho para nós adorarmos juntos, apesar dos testes e provações, e ainda vivemos no meio de muitos testes e provações”, diz Chrishanthy.

“Se estamos firmes hoje, é por causa da pura graça de Deus. A união não é fácil! Requer visão e esforço”, explica.

Ela diz que precisaram fazer grandes mudanças para atender às diferenças. “Para começar, mudamos o nome da igreja para Bethany Church (que aborreceu a maioria da comunidade tâmil). Então, tivemos todas as canções de adoração traduzidas em três idiomas: inglês, tâmil e cingalês”, detalha. Atualmente a igreja conta com 600 membros.

Ajuda da OPC

Chrishanthy relata que houve muitas dificuldades em todo o processo para implementar a visão que Deus havia dado a eles. “Quando nos levantamos para [fazer] a vontade de Deus, muitos não ficam felizes. Os membros saíram da igreja e disseram que não daria certo”, relata.

Essas dificuldades, no entanto, não desanimou o casal. “Estamos fortes. Nossa igreja testifica que Deus está conosco quando estamos unidos. Mas Deus não parou por aí. Ele tinha um plano maior. Deus queria que nós alcançássemos e nos conectássemos com os cristãos na comunidade mais ampla, e Ele tornou isso possível através da One People Commission (OPC), pela qual sou grata”, testemunha.

A OPC é uma organização britânica que trabalha para unir a os povos, ajudando a quebrar as barreiras da diversidade étnica, para vê-las unidas como uma só. “O propósito é ver nossas maravilhosas e diversas comunidades transformadas com as boas novas de Jesus Cristo”, explica.

“Quando Steve Clifford, diretor geral da Aliança Evangélica, e Rev Yemi Adedeji, diretor do OPC, me convidaram para participar desse movimento único, que encoraja os crentes do Reino Unido a enxergar além das diferenças culturais ou étnicas e trabalhar juntos para tornar Jesus conhecido, como eu poderia não pular a bordo?”, diz Chrishanthy.

“O Reino Unido é incrivelmente diversificado, com pessoas de todo o mundo, que podem, como meu marido e eu, ter testemunhado ou conhecido a guerra pelas diferenças”, esclarece Chrishanthy.

Ela diz que a OPC ajuda a abraçar uns aos outros e aceitar as diferenças para compartilhar a cultura, discernimento e dons espirituais, para o bem da igreja e do mundo em geral.

“Exorto-nos a perdoar uns aos outros, pois a falta de perdão nos pesa e dificulta nossa capacidade de trabalhar juntos para tornar Jesus conhecido”, finaliza citando Colossenses 3:13,14. “Suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também. E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição”.

Fonte: Guiame.com.br

Hotel em Promoção - Caraguatatuba